A consultora Jovem Pan, Andrea Ramal, doutora em Educação, avalia alguns temas abordados pelo Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) 2013, e acredita que as escolas poderiam preparar melhor os alunos para essa avaliação que a principal porta para a Universidade, especialmente as Federais.

Andrea considera neste ano as notas da redação serão maiores que as do ano passado, mas que a média de 500/1000 revela que “o brasileiro tem poucos livros, tem pouco hábito de leitura” e, por isso, é “difícil ao estudante fazer uma boa redação argumentativa”.

Analisando a prova, Ramal explica que “o ENEM vem buscando articular os conhecimentos com os fatos do dia a dia”, em questões como o conflito palestino, direitos dos homossexuais e a Lei Seca (tema da redação).

A educadora explica também que, para questões interpretativas, não apenas grandes nomes da Literatura são utilizados, mas também trechos de músicas de Gabriel Pensador, por exemplo.

“Quem se sai bem é o bom aluno, academicamente falando, que sabe sobre português, matemática, história e geografia, mas também que lê jornal, que está antenado com o que acontece e que relaciona o que acontece com aquilo que ele aprende”. E, na opinião de Ramal, é isso o que se espera dos universitários hoje em dia.

Por isso, o aluno precisa se acostumar com isso, desde a base. “A escola precisa trazer todas essas realidades para sala de aula”, diz Ramal. Para isso, vale utilizar-se de documentários, trechos do telejornal, filmes sobre conflitos interpretando o passado e o presente e analisar criticamente tudo o que está acontecendo".