0:00
0:00

Apesar da crise, concurseiros apostam na carreira pública em busca de estabilidade

  • Por Jovem Pan
  • 05/01/2017 06h46
DivulgaçãoDivulgaçãoConcurso Público - Divulgação

Nem a crise que atinge Estados e municípios, que deixam servidores sem salários ao redor do País, tem desanimado os concurseiros.

O cenário também é pessimista já que não há perspectiva de abertura de muitas vagas em 2017, com o enxugamento dos gastos do poder público.

Mas, ainda assim, as salas de aula de cursos preparatórios seguem lotadas por pessoas, a maioria desempregada, que tem como objetivo de vida ingressar em uma carreira pública e, assim, conquistar a estabilidade no emprego.

O panorama pessimista na iniciativa privada também dá o empurrão final na hora de escolher se dedicar aos estudos, avaliou o professor Edgar Abreu, da Casa do Concurseiro.

A engenheira química Sofia Stella – desempregada há quase 3 anos -, estuda 8 horas por dia para entrar no Ministério Público Estadual do Rio Grande do Sul, um dos Estados mais afetados pela crise ao lado do Rio e de Minas.

A dedicação exclusiva também exige paciência. Às vezes, passar num concurso não quer dizer que você será convocado.

Na iniciativa privada, algumas carreiras nem sabem o que é crise. Empresas buscam profissionais nas áreas de finanças e tecnologia, tudo em nome do corte de gastos a atender um mercado ainda em ascensão, conforme explicou a consultora em carreiras Ali Alkalay Brenman.

Na prática, as empresas querem saber como podem fazer mais, gastando menos. Quem tem a resposta, está sendo disputado a grito.

Confira a reportagem completa de Carolina Ercolin: