Reinaldo Azevedo, Victor LaRegina e Vitor Brown comentaram os principais assuntos desta segunda-feira (22) em "Os Pingos nos Is".

Em seu editorial de abertura, Reinaldo Azevedo falou sobre o que chamou de "golpe" do procurador-geral da República Rodrigo Janot. Saiba mais no editorial completo.

TEMER X INQUÉRITO – O advogado do presidente Michel Temer, Antonio Cláudio Mariz de Oliveira, afirmou que entrou com um novo pedido no STF para que o inquérito que investiga o peemedebista por corrupção passiva, obstrução de justiça e organização criminosa não seja suspenso. No sábado, ele havia pedido que a investigação parasse até a conclusão de uma perícia no áudio da conversa entre Temer e o empresário Joesley Batista.

TEMER X PERITO - Advogados do presidente Michel Temer encomendaram análise do perito Ricardo Molina sobre o grampo feito pelo empresário Joesley Batista. Segundo o laudo, a gravação é "prova imprestável para fins judiciais". De acordo com Molina, o áudio contém dezenas de pontos de descontinuidades, pontos de clipping e ruídos de mascaramentos.

FHC - Em entrevista à TV Bandeirantes, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso afirmou que o PSDB "tem que ter cautela" antes de tomar qualquer decisão no sentido de desembarcar do governo. Segundo ele, seria "oportunismo" sair correndo num momento desses, até porque o PSDB faz parte da gestão desde o começo, dando apoio expressivo às reformas econômicas. Questionado sobre o que faria se estivesse no lugar do presidente Michel Temer, FHC disse que "a essa altura, estaria considerando o futuro do Brasil e pensando bem: será que eu tenho condições de governar?".

TEMER X PRONUNCIAMENTO - Em pronunciamento no sábado, o presidente Michel Temer afirmou que a gravação de que foi alvo foi "fraudulenta e manipulada" e atacou o delator Joesley Batista, da JBS. Afirmou: "Ele cometeu o crime perfeito. Enganou os brasileiros e agora mora nos Estados Unidos. Quero observar a todos vocês as incoerências entre o áudio e o teor do depoimento. Isso compromete a lisura de todo o processo por ele desencadeado".

TEMER X FOLHA - Em entrevista à Folha, o presidente Michel Temer disse que não renuncia porque isso seria um atestado de culpa. "Se quiserem, me derrubem, porque, se eu renuncio, é uma declaração de culpa", afirmou. Em delação, Joesley disse que Temer concordou com pagamentos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha. Sobre esse episódio, o peemedebista explicou que sua frase foi dada quando Joesley afirmava: "Olhe, tenho mantido boa relação com o Cunha. E eu disse: 'Mantenha isso". Questionado sobre qual seria sua culpa, Temer diz que foi a ingenuidade. "Fui ingênuo ao receber uma pessoa naquele momento".

OAB - O Conselho Pleno da Ordem dos Advogados do Brasil decidiu, por 25 votos a 1, apoiar a saída do presidente Michel Temer. A entidade protocolará um pedido de impeachment nos próximos dias. De acordo com a OAB, Temer cometeu crime de responsabilidade.

LULA X LAVA JATO - A Lava Jato denunciou mais uma vez o ex-presidente Lula, –desta vez, sob acusação de corrupção e lavagem de dinheiro no sítio de Atibaia (SP). Também foram denunciadas outras 12 pessoas. Entre elas, os empresários Emílio e Marcelo Odebrecht, da empreiteira Odebrecht; Leo Pinheiro, da OAS; o pecuarista José Carlos Bumlai; e o proprietário formal do sítio, Fernando Bittar.

BARROSO X DIRETAS – O STF pode discutir nos próximos dias a possibilidade da realização de eleições diretas no caso de vacância do cargo de presidente depois de transcorridos dois anos de mandato. O ministro Luís Roberto Barroso liberou para julgamento uma ação direta de inconstitucionalidade que versa sobre o tema. Apresentada pelo PSD, ela questiona a constitucionalidade dos parágrafos 3º e 4º do artigo 224 do Código Eleitoral, que, depois de minirreforma, passou a prever as diretas.