0:00
0:00

Confira aqui o que você não ouviu em “Os Pingos nos Is” de 22/05/2017

  • Por Jovem Pan
  • 22/05/2017 15h22

O que Reinaldo Azevedo, Victor LaRegina e Vitor Brown não comentaram nesta segunda-feira (22), você confere aqui:

LENIÊNCIA – O Ministério Público Federal e o grupo J&F retomaram nesta segunda as negociações para um eventual acordo de leniência da empresa. De acordo com o MPF, as conversas iniciais foram interrompidas por causa de um impasse em relação ao valor da multa a ser paga. O negócio previa o pagamento de uma multa de R$ 11,17 bilhões em dez anos. A J&F fez duas contrapropostas: a primeira de R$ 1 bilhão, e a segunda de R$ 1,4 bilhão. Ambas foram rejeitadas pela força-tarefa.

PSB X MINISTÉRIO – O ministro de Minas e Energia, Fernando Bezerra Filho, afirmou a aliados que decide até quarta se entrega ou não o cargo. Ele se reuniu no fim de semana com o presidente Michel Temer e chegou a anunciar que continua no governo, mas voltou atrás. Isso porque a cúpula do PSB, partido do ministro, já pediu a renúncia do presidente.

AÉCIO X STF – Reinaldo, a defesa do senador Aécio Neves, do PSDB de Minas Gerais, deve apresentar ainda hoje um pedido para que o tucano retome seu mandato. Na Operação Patmos, deflagrada na quinta-feira da semana passada, o ministro Edson Fachin determinou o afastamento de Aécio do Senado e “de qualquer outra função pública”. Fachin também exigiu que o parlamentar entregasse o passaporte, já que ele está proibido de sair do país. O advogado Alberto Toron afirmou que vai “pedir a revogação das cautelares”. Ele explicou que seu cliente vai entregar o passaporte, mas que não vai aceitar o afastamento do mandato que, segundo ele, “é ilegal e não tem amparo na Constituição”.

PSDB – O presidente interino do PSDB, senador Tasso Jereissati, disse que o partido vai aguardar os desdobramentos judiciais da crise envolvendo o governo do presidente Michel Temer para decidir se permanece na base aliada. Afirmou Tasso: “O PSDB está vendo isso com muita responsabilidade, com muito cuidado, existem desdobramentos, tem agora na quarta-feira uma votação no Supremo, nós vamos aguardar, tem uma votação logo em seguida do TSE e nós vamos aguardar. Nossa visão é que tudo aquilo que fizermos e que vem acompanhado do julgamento das instâncias do Judiciário é melhor e mais consolidado”.

REFORMAS – O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, admitiu que o cronograma da reforma da Previdência deve sofrer mudanças em razão da crise. Em teleconferência com investidores do JP Morgan, Meirelles afirmou que espera um atraso de um ou dois meses na apreciação do texto. Apesar disso, o ministro disse que a reforma vai sair de qualquer jeito, com o presidente Michel Temer no cargo ou não.

FOCUS – De acordo com o Boletim Focus, do Banco Central, a economia do país crescerá 0,50% em 2017 e 2,50% em 2018. Já a taxa básica de juros deve ficar em 8,50% ao ano no próximo biênio.

MERCADO – O Ibovespa fechou o dia com uma queda de 1,54%. Os papéis da JBS desabaram mais de 30%, na maior queda diária da história da companhia no pregão. Também influenciado pelo cenário político, o dólar comercial voltou a subir nesta segunda e fechou em alta de 0,59%, cotado a R$ 3,27 na venda.