0:00
0:00

Confira a edição completa de “Os Pingos nos Is” desta quinta-feira (22/12/2016)

  • Por Jovem Pan
  • 22/12/2016 15h55

Reinaldo Azevedo, Patrick Santos e Victor LaRegina comentaram os principais assuntos desta quinta-feira (22) em “Os Pingos nos Is”.

Em seu editorial de abertura, Reinaldo Azevedo falou sobre a impopularidade do presidente Michel Temer. Saiba mais no editorial completo.

Outros destaques do programa foram:

TEMER X RENÚNCIA – Ao ser indagado por jornalistas sobre o processo que corre no TSE contra a chapa Dilma/Temer, o presidente disse que está tranquilo e afirmou que “haverá recursos e mais recursos”, e que pretende obedecer a posição do Judiciário. No primeiro semestre de 2017, o TSE deve julgar uma ação protocolada pelo PSDB pedindo a cassação da chapa por suposto abuso de poder político e econômico nas eleições presidenciais de 2014. Temer disse ainda que não pensa em renunciar.

TEMER X LAVA JATO – Ao ser questionado sobre a Lava Jato e as delações da Odebrecht que citam nomes fortes de seu governo, o presidente Michel Temer garantiu que não vai se “insurgir” contra a operação, mas criticou os vazamentos, pois eles criam um “clima de instabilidade”.

MEIRELLES X DESONERAÇÕES – O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o governo não deve renovar as desonerações que irão vencer em 2017: “Medidas bombásticas já mostraram que não funcionam, só artificializam”. Meirelles disse que o Brasil está em “uma rota firme de recuperação”, mas ressaltou que “não há medidas mágicas” para facilitar o crescimento.

REFORMA TRABALHISTA – Michel Temer anunciou nesta quinta medidas para estimular a economia na área trabalhista, entre elas, a criação do Programa de Seguro-Emprego, o PSE. Trata-se de uma versão atualizada do Programa de Proteção ao Emprego, em que para evitar demissões, as empresas podem reduzir até 30% da jornada e do salário do empregado, e o governo banca metade do valor correspondente ao trabalhador.

FGTS – O governo anunciou a possibilidade de os trabalhadores sacarem os valores de suas contas inativas do FGTS até 31 de dezembro de 2015. Hoje, isso só é possível caso a pessoa fique sem emprego registrado em carteira por três anos. O governo vai permitir que os trabalhadores saquem esses valores, sem fixação de limite.

OUTRAS MEDIDAS – O governo anunciou que acertou com bancos e operadoras que o cartão de crédito rotativo será transformado em parcelado depois do primeiro vencimento, de 30 dias. Com esta medida, a expectativa do Palácio do Planalto é que os juros caiam mais de 400% para menos de 200%. Também haverá medida provisória para regularizar propriedades em área urbana.