0:00
0:00

Confira a edição completa de “Os Pingos nos Is” desta sexta-feira (19/05/2017)

  • Por Jovem Pan
  • 19/05/2017 17h12

Reinaldo Azevedo, Victor LaRegina e Vitor Brown comentaram os principais assuntos desta sexta-feira (19) em “Os Pingos nos Is”.

Em seu editorial de abertura, Reinaldo Azevedo disse que o presidente Michel Temer foi vítima de atos ilegais. Saiba mais no editorial completo.

TEMER X ÁECIO X LOURES – O presidente Michel Temer, o senador afastado Aécio Neves (PSDB) e o deputado afastado Rodrigo Rocha Loures (PMDB) serão investigados em conjunto, no mesmo inquérito no STF. O ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na Corte, mandou a Procuradoria-Geral da República investigá-los com base nas delações dos irmãos Joesley e Wesley Batista, proprietários do grupo JBS. O inquérito tramitará em segredo de justiça.

DELAÇÃO – O Supremo Tribunal Federal divulgou hoje a íntegra da delação premiada dos empresários Joesley e Wesley Batista, donos do grupo JBS. A medida foi tomada após o ministro Edson Fachin homologar os depoimentos, firmados com a Procuradoria-Geral da República. São cerca de 2.000 páginas. As oitivas foram gravadas em vídeo.

AÉCIO X TEMER X TSE – Em conversa gravada entre o senador afastado Aécio Neves e o dono da JBS Joesley Batista, o tucano conta ao empresário que o presidente Michel Temer pediu a ele que retirasse a ação contra a chapa Dilma-Termer no TSE. A conversa foi captada por Batista com um gravador escondido durante encontro em São Paulo. No diálogo, Aécio afirma: “A Dilma caiu, a ação continuou e ele [Temer] quer que eu retire a ação. Cara, só que se eu retirar, e não estou nem aí, não vou perder nada, o Janot assume, o Ministério Público assume essa merda”.

DENÚNCIA X JANOT – No pedido de abertura de inquérito contra Michel Temer, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, acusa o presidente de envolvimento com três crimes: corrupção passiva, obstrução de Justiça e organização criminosa. Janot sustenta a acusação no conteúdo de uma conversa gravada entre Temer e o empresário Joesley Batista e num suposto pagamento de propinas a Eduardo Cunha e ao operador Lúcio Funaro.