0:00
0:00

“É estarrecedor um senador utilizar essa linguagem”, diz Doria sobre Aécio

  • Por Jovem Pan
  • 19/05/2017 09h50
Fábio Vieira/Estadão ConteúdoFábio Vieira/Estadão ConteúdoJoão Doria - ae
SP - DORIA/EDUCAÇÃO/DOAÇÃO - GERAL - O prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), durante coletiva de imprensa sobre as doações para o projeto Educação Digital, na sede da Prefeitura, no centro da capital paulista, nesta quinta-feira (11). 11/05/2017 - Foto: FÁBIO VIEIRA/FOTORUA/ESTADÃO CONTEÚDO

O ministro do Supremo Tribunal Federal Edson Fachin liberou a transcrição do áudio do diálogo gravado entre o senador afastado Aécio Neves e o dono da JBS, Joesley Batista. Na conversa, o tucano descreve tentativas de enfrentar a Operação Lava Jato no Congresso e cita anistia ao caixa dois e a lei de abuso de autoridade.

Além do conteúdo que levou ao seu afastamento do mandato no Senado e da presidência nacional do PSDB, o que chocou brasileiros foi a linguagem utilizada por um parlamentar. Palavras de baixo calão como mer**, car**** e bo*** surpreenderam aqueles que leram as transcrições do áudio.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã, o prefeito de São Paulo, João Doria (PSDB), afirmou ser estarrecedora a linguagem utilizada pelo colega de partido.

“É estarrecedor um senador da República utilizar essa linguagem. Palavras de baixíssimo calão. É absolutamente lamentável. Quem usa esse tipo de linguagem não tem, minimamente, condições de proceder com equilíbrio suas funções”, disse.

Na tentativa de amenizar a crítica a Aécio Neves, que não foi citado nominalmente por Doria, o prefeito relembrou falas de Lula e Dilma: “eles usavam esse tipo de palavrões costumeiramente, como se isso fizesse parte da educação das pessoas. Isso não é só inaceitável como surpreendente”.

Como fica o Governo

João Doria evitou entrar em polêmicas e disse que a posição do partido com a gestão de Michel Temer deve ser de equilíbrio. Para o prefeito, o necessário é uma proteção da economia brasileira.

“Se houver ‘degringolação’ completa e precipitada em relação a estabilidade da governabilidade do País, o risco é acabar com a economia de vez.A ingovernabilidade só coloca riscos gravíssimos a economia brasileira”, afirmou.

O tucano defendeu que tudo seja apurado com o maior rigor, mas de modo a preservar a economia brasileira e os agentes econômicos à frente da equipe ministerial de Temer. Entre os nomes citados por Doria estão o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, e principalmente, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles.

“Risco que o País vive neste momento não é só político, mas econômico”, completou. “Apoiar a Justiça, nessa circunstância, doa a quem doer. Não importa de qual partido e qual a relação, se era amigo ou não”, finalizou.

Confira a entrevista completa: