0:00
0:00

Ministro do STF Gilmar Mendes fala em cooptação e bolivarização da Corte

  • Por Jovem Pan
  • 18/12/2015 08h33
Lula Marques / Agência PTLula Marques / Agência PTGilmar Mendes
Brasília- DF- Brasil- 17/12/2015- Sessão do Supremo Tribunal Federal (STF), que definirá o procedimento do processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Foto: Lula Marques/ Agência PT

Para o ministro Gilmar Mendes, a sessão no Supremo Tribunal Federal que definiu o rito de impeachment, na qual foi voto vencido nesta quinta (17) , foi um “mar de estranhezas”. Mendes sugeriu que houve “cooptação” do STF.

“Lembra que eu tinha falado do risco de cooptação da Corte? Eu acho que nesse caso isso ocorreu”, disse Mendes em entrevista exclusiva à Jovem Pan nesta sexta-feira (18). “Mas isso é ilusório. Porque imagine que diante desse quadro de grave crise de corrupção, nós vamos ficar fazendo artificialismos jurídicos para tentar salvar, colocar um balão de oxigênio em alguém que já tem morte cerebral”, continuou o ministro. Para ele, os 26 líderes de partidos na Câmara também são cooptados.

Questionado sobre a frase, Gilmar Mendes afirmou ainda que a Corte passa por um processo de bolivarização: “É claro que há todo um projeto de bolivarização da Corte. É evidente que assim como se opera em outros ramos do Estado, também se pretende fazer isso no tribunal e, infelizmente, ontem (quinta) nós demos mostras disso”. Mendes declarou também que “o tribunal acabou chancelando uma política fisiológica”.

Sobre a questão do poder de decisão do Senado, o ministro diz que isso já havia sido previsto no caso de Collor, mas a novidade é a intervenção da Corte: “Em relação à questão do Senado, a competência para rejeitar a acusação já estava no roteiro elaborado pelo STF com o presidente à época no senado, Sydney Sanches. A novidade é a intervenção na própria comissão, que a indicação dos nomes seja dos próprios líderes. (…) Como se a gente desconhecesse como se opera a liderança nos partidos. São 26 líderes manietados por cooptação. O tribunal fez isso claramente no sentido de anular a votação ocorrida na câmara”.

Gilmar Mendes ainda elogiou o ministro Luiz Edson Fachin, que ele afirmou ter muita firmeza de caráter.