0:00
0:00

Mariano Rajoy quer que Catalunha esclareça se declarou ou não independência

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 11/10/2017 09h17

EFE/Fernando Alvarado

O primeiro-ministro Mariano Rajoy fez declaração para reagir à declaração em suspenso da autonomia da Catalunha

Tudo certo nada resolvido na Catalunha. A declaração unilateral de independência feita nesta terça-feira (10) pelo presidente regional Carles Puigdemont conseguiu não agradar a ninguém nem definir a questão de forma definitiva.

A saída encontrada pelo governo catalão de declarar independência e suspender os efeitos da decisão imediatamente foi uma saída tão engenhosa quanto efêmera para a crise aberta com o referendo de primeiro de outubro.

A ideia, pelo menos no que foi passado para o público, é ganhar tempo e tentar encontrar uma solução negociada para o processo separatista.

Acontece que o tempo não ajudou em nada o movimento que pede a secessão. Do dia do referendo para cá, a pressão sobre o governo catalão só cresceu e veio de todos os lados, incluindo de países importantes da União Europeia, como a França.

Empresas de grande porte deixaram a região temendo a instabilidade trazida para os negócios. Manifestantes foram às ruas demonstrar apoio a Espanha. E o governo central de Madri também não demorou muito para dizer ontem mesmo que não há nada a ser negociado com a Catalunha.

Então ao menos que o governo de Barcelona tenha uma outra carta na manga, ou esteja encarando a situação com um processo de longo prazo em que esse é apenas mais um movimento para chegar a um inevitável referendo negociado, é provável que a atual investida separatista acabe completamente asfixiado nos próximos dias.

O primeiro-ministro Mariano Rajoy fez declaração para reagir à declaração em suspenso da autonomia da Catalunha. Ele questiona se declararam ou não a independência. “Se vocês declararam a independência, vamos acionar o artigo 155 da Constituição, que prevê a intervenção na região. Se não declararam, voltamos a um estado de legalidade”.

Rajoy quer o apoio de todos os principais partidos antes de tomar a medida drástica e inédita na história do país, que suspende a autonomia da Catalunha. Mas os socialistas ainda relutam em apoiar a ação.

De qualquer forma, os sinais não são bons para o movimento separatista e os próprios manifestantes pró-secessão demonstravam isso ontem nas ruas de Barcelona com a decepção de ter ouvido uma declaração de independência que não criou absolutamente nada novo.