O economista e ex-diretor do Banco Central Alexandre Schwartsman acredita "que o mercado está dando por muito barato essa crise" econômica. Ele avalia que as reformas econômicas do governo Temer estão "feridas, talvez de morte"

"As projeções do mercado estão pegando uma coisa verdadeira: a economia sem reforma tem uma capacidade menor de crescer".

"A reforma da Previdência não iria reduzir resultados este ano e nem ano que vem", diz Schwartsman em entrevista a Denise Campos de Toledo no Jornal da Manhã. "Em três a cinco anos, a reforma da previdência já começaria a produzir algum resultado".

"O mercado financeiro é muito guiado por persepctivas, expectativas", diz o ex-diretor do BC. "Os ganhos que não tivemos em termos de percepção de risco serão revertidos", afirmou. "Se não fizer reforma da previdência a gente vai ver o risco Brasil crescer gradualmente", avalia.

O ex-diretor do BC entende também que "podemos atingir 8% na Selic este ano".