0:00
0:00

Mesquita alvo de ataque em Londres já foi acusada de extremismo

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan Londres
  • 19/06/2017 10h28 - Atualizado em 29/06/2017 00h44
EFE/SEAN DEMPSEYEFE/SEAN DEMPSEYMulher caminha junto a flores colocadas em frente à mesquita londrina de Finsbury Park
SD1 LONDRES (REINO UNIDO), 19/06/2017.- Una mujer camina junto a las flores colocadas cerca de la mezquita londinense de Finsbury Park, donde un conductor lanzó su vehículo a medianoche contra las personas que salían del templo y causó un muerto y diez heridos, dos de ellos graves, en Londres, Reino Unido, hoy, 19 de junio de 2017. EFE/SEAN DEMPSEY

O alvo da vez foi uma mesquita na região de Finsbury Park, no norte de Londres.

Uma van foi lançada contra um grupo de muçulmanos que deixava a mesquita ontem por volta da meia noite no horário local, 20h em Brasília. Uma pessoa morreu e outras dez ficaram feridas no incidente que está sendo tratado pela polícia como ataque terrorista, o quarto na Inglaterra em menos de quatro meses.

A primeira-ministra Theresa May se manifestou hoje dizendo que esse episódio é tão doentio quanto os últimos que ocorreram no país, pra evitar qualquer conversa que minimize a gravidade do ataque por ele ter ocorrido em uma mesquita.

Finsbury Park é uma área bem conhecida do norte de Londres que abriga imigrantes de diversas partes do mundo, inclusive muitos brasileiros. Apesar da forte presença de muçulmanos nesta área, praticantes de outras religiões também moram no bairro, que também abriga uma sede da Igreja Universal do Reino de Deus, que vem do Brasil.

A mesquita de Finsbury Park foi alvo de uma grande polêmica aqui no Reino Unido anos atrás depois de ser acusada como um dos principais locais de radicalização de jovens e também de laços com o grupo terrorista Al-Qaeda.

Desde então, o templo religioso se reestruturou para tentar se afastar do extremismo e se tornar um local aberto para a comunidade da região.

Causa investigada

O homem responsável pelo atentado foi preso. Ele tem 48 anos de idade, mas ainda não teve sua identidade revelada pela polícia. Agora pela natureza do que aconteceu a hipótese dele não ser um terrorista ligado diretamente a nenhuma rede, e sim uma pessoa com distúrbios mentais, como foi discutido no ataque de Westminster em fevereiro, também é real.

Segundo testemunhas, depois de jogar o veículo contra o grupo de fiéis, ele tentou escapar gritando que queria matar muçulmanos.

Ele foi detido pelas pessoas que deixavam a mesquita até a chegada dos policiais.