MPF reforça denúncia contra quadrilha suspeita de ter ligação com o PCC

  • Por Jovem Pan
  • 07/12/2017 07h24

Wikimedia Commons

O grupo que, segundo o Ministério Público tem ligação com o Primeiro Comando da Capital, o PCC, usou explosivos, fuzis e metralhadoras em assaltos à agências da Caixa e do Banco do Brasil

O Ministério Público Federal ampliou nessa semana a denúncia contra uma organização criminosa que, em março desse ano, realizou assaltos a bancos em Aguaí, no interior de São Paulo.

O grupo que, segundo o Ministério Público tem ligação com o Primeiro Comando da Capital, o PCC, usou explosivos, fuzis e metralhadoras em assaltos à agências da Caixa e do Banco do Brasil.

Até hoje não se sabe a quantia de dinheiro levada dos cofres da Caixa Econômica Federal. Durante os assaltos, dois integrantes da quadrilha morreram. Outros oito respondem ao processo.

A organização criminosa atuava pelo menos desde outubro de 2016, no Estado de São Paulo.

Os réus já tinham participado de outros roubos a caixas eletrônicos, também com uso de explosivos.

Entre janeiro e fevereiro, de acordo com as investigações do Ministério Público, eles atacaram agências bancárias de Araçariguama e estouraram terminais instalados dentro do Hospital das Clínicas de São Paulo e do Hospital Padre Bento, em Guarulhos.

*Informações do repórter Caio Rocha