0:00
0:00

Segunda rodada de negociações do Brexit começa nesta segunda em Bruxelas

  • Por Ulisses Neto/Jovem Pan
  • 17/07/2017 09h47
EFESecretário britânico para a saída da UE, David Davis, e o chefe negociador da UE, Michel Barnier, fazem declaração conjunta antes da segunda rodada de negociações

A segunda rodada de negociações do Brexit começa nesta segunda-feira (17) em Bruxelas com sinais de que a relação entre europeus e britânicos está ficando menos árida.

Por causa da fragilidade política do governo de Theresa May, os britânicos tiveram que baixar a bola consideravelmente. E isso ajudou.

A primeira-ministra confirmou formalmente que o Reino Unido tem obrigações financeiras com a União Europeia, por exemplo, o que significa reconhecer que o Brexit vai deixar uma conta a ser paga.

A pauta das negociações que começam hoje e vão durar três dias e meio está focada em dinheiro, a situação dos imigrantes europeus e a delicada fronteira entre Irlanda e Irlanda do Norte.

Por causa da União Europeia e do acordo de livre circulação de pessoas, a polêmica fronteira que causou conflitos sangrentos até o início da década de 1990, fica aberta e com livre circulação. O que pelo menos legalmente pode se tornar inviável depois da conclusão do Brexit.

A data para a separação definitiva do Reino Unido é 29 de março de 2019 e até lá os dois lados querem aparar as arestas mais graves e criar mecanismos para evitar que pessoas entrem em limbos jurídicos no dia seguinte da desfiliação.

Por isso, os europeus insistem em definir a situação dos imigrantes antes de falar em acordos comerciais, que são o principal interesse dos britânicos no momento.

O clima político na Grã-Bretanha é de resignação sobre o resultado do Brexit, embora vez ou outra ganhem força movimentações contra o divórcio.

O país sabe que as consequências financeiras vão ser sentidas e o momento agora é de buscar alternativas para suavizar o pouso de paraquedas depois ter pulado do avião europeu.

Confira as informações do correspondente da Jovem Pan na Europa, Ulisses Neto: