0:00
0:00

Sepse é a doença que mais mata nas UTIs brasileiras

  • Por Jovem Pan
  • 13/09/2017 09h23
Marcos Santos/USP ImagensDe acordo com estudo publicado na revista científica The Lancet, a mortalidade por sepse no Brasil chega a 50% dos casos

Treze de setembro é dia de alertar a sociedade para a sepse: doença que mata mais do que câncer e infarto.

O infectologista do Emílio Ribas, doutor Jean Gorinchteyn, explicou que a data serve para ajudar na prevenção: “o dia 13 de setembro é um dia extremamente importante para mostrar o quanto podemos salvar mais vidas”.

Muitas vezes confundida com uma infecção generalizada, a sepse na verdade é uma manifestação do corpo diante da presença de agentes infecciosos. Dependendo da resposta inflamatória é possível até que o paciente não sobreviva. Qualquer pessoa pode ter sepse, mesmo as mais saudáveis. Mas, aquelas que apresentam algum caso clínico são mais propensas a terem a doença.

Jean Gorinchteyn reforçou que o ideal é ficar alerta aos sintomas: “temos que lembrar que alguns grupos têm riscos de fazer doença mais graves, especialmente diabéticos, pacientes com câncer, essas pessoas devem ter atenção especial pelos riscos”.

De acordo com estudo publicado na revista científica The Lancet, a mortalidade por sepse no Brasil chega a 50% dos casos.

Febre muito alta, coração em ritmo acelerado, respiração ofegante, pressão baixa e diminuição da quantidade de urina são sintomas que precisam de atenção.

Caso a pessoa desenvolva algum desses sinais deve procurar assistência médica imediatamente. Quanto mais rápido o diagnóstico, mais chances de se livrar da doença.

*Informações da repórter Marcella Lourenzetto