Em meio a fraudes em carnes brasileiras ligadas a grandes frigoríficos apontadas pela Operação Carne Fraca da Polícia Federal na última sexta-feira (17) e forte reação de autoridades e integrantes do setor neste fim de semana, que tenta minimizar as acusações, uma figura ficou marcada e é alvo de várias piadas em redes sociais: a do ator Tony Ramos (69), que vende sua imagem para fazer propagandas da marca Friboi, pertencente ao grupo JBS, uma das citadas pela PF.

Em entrevista exclusiva ao Jornal da Manhã da Jovem Pan desta segunda (20), Tony disse que acompanhou a operação com "susto, estupor e absoluta surpresa", reiterou que continua confiando na marca, mas disse que vai "aguardar novas informações oficiais, de ministério, agências reguladoras e de fiscalização" para voltar a emprestar sua figura à empresa de carnes, o que não descarta.

Questionado se ele poderia ajudar a Friboi a recuperar a imagem, o ator disse: "Agora não vai ter nada não". "Vamos aguardar a manifestação de Ministério Público e agências envolvidas, Ministério da Agricultura. Tudo comprovado, está tudo certo, foi pontual? Poderei vir a público, sim, esclarecer", pontuou Tony Ramos. Ele ainda tem um ano de contrato com a empresa com a qual assinou há três anos e diz não ter vídeo gravado no momento para ir ao ar. Mas não descarta uma eventual interrupção do negócio. "Se alguma coisa desabone essa relação, eu tenho direito de interromper o contrato".

O artista global disse que procurou a agência de publicidade ainda na sexta, que o colocou em contato com a Friboi. Tony Ramos foi informado que a marca do produto que ele anuncia não foi denunciada e a empresa teria dito: "vamos com calma, por favor, porque há várias informações embutidas em uma só", pedindo que o garoto-propaganda aguardasse. "Estou aguardando", diz Tony. "Eu preciso contratualmente dar esse tempo. Vou dar um tempo legal".

Tony Ramos lembra que demorou 10 dias para "fazer pesquisas e saber da idoneidade da empresa" antes de decidir dar voz à Friboi em 2014. À época, uma reportagem do programa Fantástico, da Rede Globo, mostrou "que o abate clandestino ainda é responsável por 25% do consumo no País". Por ser "uma pessoa em que as pessoas têm confiança", o ator foi convidado a fazer "um comunicado de que nem toda carne é dessa maneira".

"Evidente que eu recebi (dinheiro pelos anúncios). Eu não sou hipócrita, sou um profissional da comunicação. Quantos companheiros já não anunciaram prédios de construtoras que faliram, coitados? Eles não tinham culpa", compara Tony, reconhecendo que "é uma relação muito delicada essa da propaganda". "Eu não precisaria de fazer propaganda para sobreviver, graças ao bom Deus, e é só nEle que eu acredito", diz Tony.

O ator reiterou que vai continuar comendo carne e "sendo cuidadoso como eu sempre fui". "Minha mulher sempre foi muito cuidadosa na compra", diz.

Tony Ramos ainda elogiou o trabalho da Polícia Federal. "Temos um novo País a caminho. Eu torço por esse país. Torço muito por um homem chamado Sérgio Moro. Torço muito pela nova Polícia Federal, de jovens valores, que estão interessados em curar isso tudo".

O artista citou sua carreira quinquagenária, prêmios internacionais que recebeu, disse que paga seus impostos e afirmou: "tudo isso não vai cair por terra por causa de um escândalo desses, em que eu não sou fiscal, eu não sou o homem que manipula a carne. Mas eu tenho um compromisso social em posicionar-me".