0:00
0:00

Montadoras cobram promessas de infraestrutura do Governo para reverter crise no setor

  • Por Jovem Pan
  • 27/03/2017 07h11
Fotos PúblicasFotos PúblicasCarros montadoras

Mercado automotivo descarta retomada econômica via consumo e cobra concessões em infraestrutura prometidas pelo Governo.

Após um início de ano aquém das expectativas nas vendas de veículos e principalmente caminhões e ônibus, as montadoras reforçam sua preocupação.  

A expectativa é fechar o ano com alta de 4%, mas atualmente o setor de pesados utiliza 20% da sua capacidade nas fábricas.

O diretor de Relações Institucionais da Mercedes, Luiz Carlos de Moraes, ressaltou que os caminhões estão diretamente ligados ao crescimento do País. “Pouco provável que o consumo vai gerar crescimento, temos nível de desemprego muito alto. Consumo vai demorar um pouco para retomar. A chance para crescer é via investimento”, explicou.

O resultado do primeiro bimestre é classificado como decepcionante, uma queda de 6,4%, em relação as vendas de 2016. Mas a produção nacional registrou alta de 15% em fevereiro, e elevação de 39%, em relação ao mesmo período de 2016.

A maior atividade das fábricas demonstra uma aposta na recuperação das vendas após o segundo trimestre.

O presidente da Anfavea, Antonio Megale, lembrou que os programas de infraestrutura estão sendo anunciados desde o Governo anterior. “Muitas concessões, muitos anúncios são feitos, mas não acontecem. Sabemos que têm tempo de implementação, mas pedimos celeridade na condução de concessões ou mesmo a retomada dos investimentos de infraestrutura”, disse.

Na média, o setor automotivo usa hoje no Brasil 50% da sua capacidade instalada nas fábricas.

As exportações produziram o melhor bimestre da história, mas o mercado externo não consegue suprir o fraco desempenho interno.

*Informações do repórter Marcelo Mattos