0:00
0:00

Religião interfere em acesso de mulheres a métodos contraceptivos, diz estudo

  • Por Jovem Pan
  • 10/01/2017 07h11
Arquivo Creative CommonsArquivo Creative CommonsRemédios

Pesquisa afirma que religião dificulta acesso de mulheres a métodos contraceptivos.

Um estudo da Federação Internacional de Planejamento Familiar, realizado no México, Colômbia, Argentina, Chile e Brasil, aponta a influência nas políticas públicas.

A socióloga Jaqueline Pitanguy analisou o impacto da religião na saúde. “Todas as pessoas têm o direito de serem o quão religiosas quiserem, desde que isso seja um projeto de vida, de espiritualidade. O problema é quando crenças religiosas interferem na prestação de serviços de saúde – sexual e reprodutiva – que devem ser prestados de acordo com padrões de saúde e não de crenças religiosas. Não se trata de que pessoas religiosas não deveriam exercer sua religião; mas religião não deveria informar padrões de conduta profissional quando se trata de atender paciente em rede pública de saúde”, disse.

O Brasil conta com uma lei avançada e mesmo fora das capitais, o acesso aos métodos é difícil, mas há distribuição pelo Sistema Único de Saúde.

A pesquisa chama a atenção para a inexistência de campanhas sobre planejamento familiar e contracepção feminina no Brasil.

*Informações do repórter Marcelo Mattos