Mentor intelectual do atentado de Bangcoc fugiu para Turquia, diz polícia

  • Por Agencia EFE
  • 14/09/2015 10h59

Bangcoc, 14 set (EFE).- A Polícia da Tailândia afirmou nesta segunda-feira que a pessoa considerada a mentora intelectual do atentado de 17 de agosto em um templo de Bangcoc, no qual 20 pessoas morreram e 120 ficaram feridas, fugiu para a Turquia.

No sábado, a polícia emitiu uma ordem de prisão para o principal suspeito, Abudureheman Abudusataer, conhecido como “Ishan”, que morava na região chinesa de Xinjiang, onde vive uma população de minoria muçulmana uigur, e de onde, conforme a investigação, ele saiu um dia antes do atentado.

De acordo com o tenente-coronel e porta-voz da polícia, Prawut Thavornsiri, Ishan embarcou para Istambul no último dia 30, partindo de Daca, em Bangladesh, aonde chegou no dia 16 de agosto.

Ishan foi identificado como o autor intelectual do atentado por Yusufu Miereli, um dos dois detidos por seu possível envolvimento com a ação, acusado de entregar a bomba à pessoa que a acionou e que teve as imagens captadas por câmaras de segurança.

Segundo testemunhas, Ishan esteve em um apartamento do subúrbio de Bangcoc, onde Mieraili também passou a noite, e onde foi detida a outra pessoa, Adem Karadag, com quem foram encontrados dezenas de passaportes turcos falsos e material para fabricação de explosivos.

Prawut informou que três pessoas detidas na Malásia – dois malaios e um paquistanês – fazem parte de grupos de tráfico de pessoas, mas evitou confirmar se têm relação com o atentado, como anunciou hoje a Polícia da Malásia. Além de Ishan, a polícia tailandesa ditou ordens de prisão a outras 11 pessoas, a maioria estrangeiras.

As autoridades tailandesas insistem em vincular o atentado ao crime organizado, apesar de a investigação policial alimentar a hipótese de uma represália pela deportação de uma centena de uigures na China, em junho. EFE