Ciro Gomes divulga carta a aéreas e diz: “Embraer é do Brasil”

  • Por Jovem Pan
  • 18/07/2018 13h07
GABRIELA BILó/ESTADÃO CONTEÚDOPara o pré-candidato, a fusão das companhias é uma "negociação hostil aos interesses do povo brasileiro"

O pré-candidato do PDT à Presidência, Ciro Gomes, divulgou nesta quarta-feira (18) a carta que enviou às empresas de aviação Embraer e Boeing solicitando a suspensão da fusão (“joint venture”) das companhias.

“Na minha visão, é uma negociação hostil aos interesses do povo brasileiro”, argumentou o pré-candidato em mensagem em sua página oficial no Twitter. Em seguida, na mesma rede social, o pedetista compartilhou várias mensagens com a hashtag: #EmbraerÉdoBrasil.

Na missiva, Ciro destaca que “a divisão de Defesa e Segurança da Embraer (…) hoje desenvolve projetos cruciais para o País, como o cargueiro militar KC-390”.

O político chama a negociação de “mutilação” da Embraer e acredita que, ainda que o setor de Defesa não entre na junção com a empresa americana, o negócio “acabará com a sinergia e as vantagens comparativas necessárias para a impulsão do que restará da Embraer a novos patamares”. Ciro citou a abertura para “uma nova era para a participação do Brasil no setor aeroespacial”.

Gomes pediu a suspensão das negociações “até a realização das eleições, de modo que o futuro Presidente, seja ele quem for (…), tenha condições de inteirar-se dos detalhes desta operação”. O pré-candidato defende um “canal de diálogo” com a Boeing e lembra que o governo detém uma Golden Share da Embraer.

Confira a carta completa de Ciro, em português (para o presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva) e em inglês (para o presidente da Boeing, Dennis Mullenburg):

Mais cedo, no Jornal da Manhã, a comentarista Vera Magalhães analisou o discurso de Ciro Gomes, uma vez que já era sabida a existência da carta do pré-candidato:

Confira a cobertura completa da eleição 2018!