Afinal, o que é ibogaína? Tratamento ‘revolucionário’ de Leo Dias abre discussão

  • Por Vinicius Moura/Jovem Pan
  • 14/09/2018 12h28
Reprodução/InstagramLeo Dias afirmou que se tornou usuário da cocaína a partir de 2001 e o acumulo de trabalho, além da busca por uma fuga, ampliou seu vício, interferindo profissionalmente e financeiramente em sua vida

Após abrir o jogo sobre o vício em cocaína com exclusividade para o Jovem Pan Morning Show, o apresentador Leo Dias, do SBT, levantou uma discussão e dúvidas sobre a substância com que ele vai se tratar: a ibogaína.

“É um tratamento revolucionário, que pode chocar muita gente. eu vou combater a droga com uma droga. Eu vou fazer uso da droga mais poderosa do planeta terra, que provoca 12 horas de alucinações ininterruptas, em que dizem que o passado vem a tona, você vê o Diabo, você fica de cara com a morte, você transgride, e que acaba com a tal fissura”, afirmou o jornalista do Fofocalizando.

A substância é extraída da raiz da iboga, uma planta africana. A importação e comercialização dela é proibida no Brasil pelo Ministério da Saúde. Ela só é possível para realização de pesquisa científica. Leo Dias se internará em uma clínica do interior de São Paulo, que oferece o serviço, importando a droga de países onde ela é legalizada, como Canadá, Nova Zelândia e México.

Essa utilização da droga ainda provoca discordância no campo da medicina, tendo seu estudo proibido nos Estados Unidos, pelo alto teor tóxico. O coordenador de psiquiatria da Unifesp, Ronaldo Laranjeira, alerta para o uso e efeitos da substância: “quando você vai fazer alguma revisão científica, você não identifica esses efeitos terapêuticos. Então tem que tomar muito cuidado com essas drogas que tem uma fama, mas não tem as evidências. É um tiro no escuro”.

Leo Dias afirmou que se tornou usuário da cocaína a partir de 2001 e o acumulo de trabalho, além da busca por uma fuga, ampliou seu vício, interferindo profissionalmente e financeiramente em sua vida. O apresentador decidiu buscar o tratamento incentivado por uma atitude do patrão Silvio Santos. De acordo com Dias, o dono do SBT só não o demitiu da emissora porque sabia que ele estava doente.