Fãs e amigos se despedem da ‘madrinha do samba’ Beth Carvalho

  • Por Jovem Pan
  • 01/05/2019 14h34
Tânia Rêgo/Agência BrasilBandeiras do clube Botafogo e da Estação Primeira de Mangueira, escola de samba do coração de Beth, foram posicionadas ao redor do caixão

O corpo da sambista Beth Carvalho, que morreu nesta terça-feira (30) vítima de uma infecção generalizada, está sendo velado no salão nobre da sede do clube Botafogo de Futebol e Regatas, time do qual Beth era torcedora. Nas caixas de som, tocam sucessos gravados pela sambista em seus quase 60 anos de carreira.

Músicos e fãs participam em peso do velório. A cantora Zélia Duncan disse que o Brasil está chorando a perda de Beth. “O Brasil está chorando [a morte de] uma representante corajosa, de um talento raro, que contribuiu imensamente para a música brasileira, para o pensamento brasileiro e para a mulher brasileira. O repertório de samba da Beth é o mais lindo do Brasil e um dos mais completos”, declarou.

A cantora Teresa Cristina lembrou que, apesar da saúde debilitada dos últimos anos, Beth nunca se deixou abater. “Uma pessoa que convive 12 anos com dor. Às vezes, com qualquer mal-estar, a gente fica em casa e não consegue cantar. E ela quis cantar até o último dia. Ela queria cantar no dia 5”, disse a cantora, referindo-se ao show de aniversário da sambista, marcado para o próximo domingo (5).

Segundo o empresário da sambista, Afonso Carvalho, mesmo internada no hospital, Beth não conseguia ficar parada. “Ela foi uma guerreira que buscava nos palcos a força para se manter confiante, com alegria. Ela estava agora numa situação delicada, fragilizada e ela idealizou fazer o aniversário dela no palco do Vivo Rio. Era difícil para uma pessoa comum olhar aquela pessoa no leito do hospital se programando para fazer um show”, explicou.

Um dos principais nomes do samba, Zeca Pagodinho lembrou o apoio que Beth Carvalho deu a novos talentos da música brasileira, inclusive a ele próprio, no início de sua carreira. “Ela botou muita gente lá em cima. Costumo brincar que eu era um simples compositor e virei um Zeca Pagodinho por causa da Beth. Meu negócio era compor. Ela me pôs para gravar ‘Camarão que dorme a onda leva’ com ela e eu virei esse Zeca Pagodinho que o Brasil hoje aplaude”, recordou.

Fabio Fernandes, membro do fã-clube Andança, criado em 2005, foi de Minas Gerais especialmente para a despedida. “A gente estava se preparando para vir pro show de aniversário, mas infelizmente fomos pegos de surpresa. Mas só tenho lembranças boas. O fã-clube lamenta muito essa morte, mas o céu está em festa agora”, disse.

O corpo de Beth Carvalho deve deixar a sede do Botafogo por volta das 16h e será levado em um cortejo do Corpo de Bombeiros até o cemitério do Caju, onde será cremado no fim desta tarde.

*Com Agência Brasil