'As experiências esotéricas foram mais por curiosidade', relata viúva de Raul Seixas

  • Por Jovem Pan
  • 23/06/2015 11h45
Divulgação

Apesar da filosofia e religião terem inspirado diversas composições de Raul Seixas, Kika Seixas, viúva do rockstar baiano falecido há quase 26 anos, lembrou que o companheiro não seguia nenhuma religião. “Ele era agnóstico, não negava Deus, não era ateu, mas falava ‘me prove que eu acredito’”, falou em entrevista ao Morning Show desta terça-feira (23).

Hoje responsável por diferentes atividades em nome de Raul– marcha, exposição, musical, peças -, Kika contou também que o artista era muito curioso. “As experiências esotéricas foram mais curiosidade, ele era muito curioso”, disse.

As experimentações espirituais começaram com as composições ao lado do escritor Paulo Coelho. Junta, a dupla compôs quatro importantes discos da obra de Raul: Krig-há, Bandolo (1973), Gita (1974), Novo Aeon (1975) e Eu Nasci Há 10 Mil Anos Atrás (1976).

Os dois também protagonizado o folclórico Contatos Imediatos do IV Graal  (1978), filme que envolvia rituais religiosos, inclusive com sacrifício de animais baseado nos ensinamentos do satânico inglês Aleister Crowle.

“A grande qualidade do Raul era pegar a filosofia e religião e pegar uma forma atual e fácil para a pessoa normal assimilar”, analisou Kika à equipe comandada por Edgard Piccoli.

Kika também avaliou que Raul estaria decepcionado com o Brasil, território que pretendeu alugar lá pela década de 1980 para pagar a dívida externa. “Ele estaria arrasado porque não tem como fingir como estamos bem, só não retrocedeu na questão da censura”, acredita a ex-companheira. Canceriano, Raul faria 70 anos neste domingo (28).