Black Clover: Quartet Knights falha em sua busca por ação competitiva

  • Por Adriano Sarafim
  • 30/09/2018 17h36 - Atualizado em 08/10/2018 17h53
DivulgaçãoO jogo deixou muito a desejar, principalmente em entregar possibilidades para todos desfrutarem do modo online

Os animes lançados na Shonen Jump seguem fazendo muito sucesso no Japão e diversos países do mundo. Um desses exemplos é a obra Black Clover, criada por Yuki Tabata em 2015, que acabou de ganhar o seu primeiro jogo. Em Black Clover: Quartet Knights, a Bandai Namco procurou agraciar os milhões de fãs da série, mas esbarrou numa experiência simples e sem muita emoção.

O modo história traz uma estória completamente inédita, envolvendo os personagens já conhecidos do anime. Os diálogos são desenvolvidos em formas de animações e outras, na sua maioria, em imagens estáticas de cada um e uma caixa de conversa escrita. Para o público brasileiro é mais complicado, já que o título não tem tradução para o português.

Pois bem, você começa o enredo com o protagonista Asta, que acaba se envolvendo numa trama de viagem do tempo com a versão jovem de Yami. Com um argumento simples, os jogadores poderão encerrar rapidamente a estória, que possui três visões para o mesmo evento.

A jogabilidade de Quartet Knights não é de fazer os olhos dos gamers brilharem. O controle de câmera é complicado e os golpes parecem ser muito genéricos. Nem os golpes especiais conseguiram me deixar empolgado e não demonstraram ter uma força que valesse a pena utilizá-los.

Graficamente, o jogo também deixou a desejar. Os cenários não são nada atrativos e os personagens não trazem a qualidade apresentada em games de maior investimento como os da série Naruto, Dragon Ball e do ótimo RPG Ni No Kuni II. Parece que a Bandai Namco fez o jogo apenas por obrigação, investimento o mínimo possível.

Modo Online seria o grande atrativo, mas…

Black Clover: Quartet Knights tem o seu grande atrativo no modo online. Nele, os jogadores poderão se juntar a modos inspirados em Overwatch, em que poderão defender pontos e escoltar cargas de cristais.

O grande problema é, que para o povo da América do Sul, há poucas pessoas disponíveis para jogar. Tentei por dias achar um servidor que conseguisse formar partidas, mas não obtive sucesso.

Analisando partidas de colegas que moram fora do país, pude perceber que o online de Quartet Knights é a melhor opção para quem decidir investir seu dinheiro no game – e onde ele vale a pena. Mesmo para quem não é fã de carteirinha da produção japonesa, conseguirá se divertir na batalha contra outros jogadores.

Veredicto

Black Clover: Quartet Knights poderia ter trazido uma história melhor desenvolvida e uma jogabilidade mais interessante e trabalhada, sem golpes genéricos e dando importância a golpes especiais. Sem ter um foco ao público brasileiro, seja por localização do jogo ou servidores que conseguissem dar um suporte maior ao modo online, o título deixa muito a desejar e certamente não agradará quem investir o seu dinheiro nele.

NOTA: 5,5

+História inédita e exclusiva para o jogo

+Personalização dos personagens

+Modo online promissor…

– Mas falta servidor e jogadores
– A voz de Asta gritando é de deixar qualquer um irritado
– Jogabilidade genérica e pouco trabalhada.