Seis motivos para acompanhar o Super Bowl 53 neste domingo

  • Por Jovem Pan
  • 01/02/2019 12h27 - Atualizado em 02/02/2019 20h14

O evento esportivo mais importante dos EUA acontece pela 53° vez neste domingo. O Super Bowl, final do campeonato nacional de futebol americano, terá em campo o New England Patriots contra o Los Angeles Rams. Veja abaixo 6 motivos para não perder nada da partida:

Estádio

O palco do duelo já é um show à parte. Com teto retrátil e um telão de 360°, o Mercedes-Benz Stadium tem capacidade para 71.000 pessoas e é um dos mais modernos no mundo. Nos EUA, está no topo da ostentação: custou 1,5 bilhão de dólares, sendo o mais caro do país.

Hino

A “Imperatriz do Soul” Gladys Knight será a responsável por abrir o evento com o hino americano. Ganhadora de sete prêmios Grammy, a cantora é natural de Atlanta, onde a partida será disputada. No Instagram, ela comemorou a escolha e disse que está “voltando para casa”.

View this post on Instagram

Atlanta, I’m coming home! #NFL #SBLIII

A post shared by Gladys Knight (@msgladysknight) on

Intervalo

Sempre grandioso e conduzido por estrelas, o show do intervalo terá desta vez o Maroon 5 no palco. A banda pop será acompanhada pelos rappers Travis Scott e Big Boi. É a primeira vez que os três se apresentam no evento, que já teve Madonna, Michael Jackson e Paul McCartney entre as atrações.

Comerciais

Nem as propagandas de TV fogem ao clima de espetáculo quando o assunto é Super Bowl. Neste ano, uma das expectativas é o lançamento de um novo trailer de “Vingadores: Ultimato”, da Marvel. O estúdio já havia aproveitado a edição de 2018 do evento para lançar materiais do terceiro filme da franquia, “Guerra Infinita”, e pode agora revelar mais detalhes do próximo, que estreia em abril.

Kaepernick

A polêmica também não ficou de fora desta edição do Super Bowl. Neste ano, o destaque foi a desistência da cantora Rihanna em se apresentar no intervalo do evento. A recusa foi feita em apoio ao jogador Colin Kaepernick, que em 2016 se ajoelhou durante a execução do hino nacional americano, em protesto contra as mortes de negros por policiais nos EUA. Ex-quarterback do San Francisco 49ers, ele está sem time desde então, o que atribui a um boicote da liga nacional contra suas manifestações.

Tom Brady

Nesta edição, um recorde também pode ser quebrado: Tom Brady, dos Patriots, pode ser campeão do Super Bowl pela sexta vez, tornando-se o maior da história. Hoje ele divide a marca com Charles Haley, ex-jogador de San Francisco 49ers e Dallas Cowboys. Esta será a nona final da carreira do quarterback, que esteve presente em todas as conquistas do seu time.

EFE