Autoridades definem esquema de segurança para a Copa América; ‘Barra bravas’ e Bolsonaro preocupam

  • Por Jovem Pan
  • 29/03/2019 15h45
Igor Amorim/SPFCEstádio do Morumbi receberá o primeiro jogo da Copa América no dia 14 de junho

A Copa América terá início no dia 14 de junho no estádio do Morumbi, com a disputa da partida entre Brasil e Bolívia. No entanto, as autoridades de São Paulo envolvidas na organização da competição continental já definiram ações para garantir a segurança dos torcedores e delegações. E três pontos preocupam: “barra bravas” chilenos, a presença do presidente da República Jair Bolsonaro na abertura e possíveis atentados à seleção do Catar.

A cidade de São Paulo vai receber seis partidas da Copa América – três no Morumbi e três na Arena Corinthians. E cada jogo deverá contar com a presença de 800 homens de segurança (500 da Polícia Militar, 200 da Polícia Civil e 100 da Guarda Civil Metropolitana), esquema semelhante ao que foi utilizado na Copa do Mundo, em 2014.

Ainda na capital paulista, são esperados aproximadamente 100 mil torcedores estrangeiros na cidade, sendo 20 mil chilenos para acompanhar a partida contra o Japão, dia 17 de junho, no Morumbi. Desde o momento em que a tabela de jogos da Copa América foi divulgada, em janeiro, essa partida colocou as autoridades de São Paulo em alerta devido ao histórico de problemas com torcedores chilenos.

Em 2014, na Copa do Mundo, centenas de chilenos destruíram barreiras de segurança e invadiram o estádio do Maracanã, no Rio, para assistir ao jogo com a Espanha. Em 2017, em partida da Copa Sul-Americana, na Arena Corinthians, torcedores da Universidad de Chile entraram em confronto com a Polícia Militar e chegaram a arremessar cadeiras.

O mesmo ocorreu no ano passado, com torcedores do Colo-Colo, durante jogo das oitavas de final da Libertadores da América com o Corinthians. Um torcedor chileno foi atingido na cabeça por um pedaço de bambu durante briga com corintianos perto do Metrô Itaquera e sofreu traumatismo craniano.

Com relação ao jogo de abertura da Copa América, no dia 16 de junho, entre Brasil e Bolívia, a preocupação dos policiais é com o posicionamento de atiradores de elite que compõem o amplo esquema de segurança do presidente da República Jair Bolsonaro.

O Morumbi não possui cobertura para abrigar snipers e também não há prédios nos arredores com boa visão para o estádio que possam receber os atiradores. Por isso, está sendo discutida a possibilidade de ser construída uma estrutura provisória somente para receber os atiradores de elite.

A previsão é de que Bolsonaro e a sua comitiva assistiam à partida no camarote ao lado de outros chefes de Estado e autoridades da Conmebol, entidade responsável pela organização da competição, e membros da FIFA.

Assim como Bolsonaro, a delegação da seleção do Catar também terá atenção especial. No dia 19 de junho, os catarianos enfrentam a Colômbia, no Morumbi. Nas próximas semanas, haverá reunião entre policiais e representantes da embaixada do país no Brasil.

O Catar vive uma crise diplomática e nações como Arábia Saudita, Bahrein, Egito, Emirados Árabes Unidos, Líbia, Maldivas e Iêmen cortaram relações. Assim, haverá reforço na segurança, inclusive com policiais do esquadrão anti-bomba, nas áreas utilizadas pela delegação catariana: aeroportos, hotel, centro de treinamento e estádio.

Jogos da Copa América em São Paulo:

14/06: Brasil x Bolívia (Morumbi)

17/06: Japão x Chile (Morumbi)

19/06: Colômbia x Catar (Morumbi)

22/06: Peru x Brasil (Arena Corinthians)

28/06: Quartas de final (Arena Corinthians)

06/07: Disputa 3º Lugar (Arena Corinthians)

Com informações de Agência Estado