Boca Juniors confirma fratura de goleiro e deve usar reserva criticado

  • Por Jovem Pan
  • 20/09/2018 10h51
Instagram/ ReproduçãoRossi foi criticado após jogo contra Palmeiras

Após o jogo polêmico entre Boca Juniors e Cruzeiro, o clube argentino confirmou que deve ter um problema grave para o jogo de volta. O goleiro Esteban Andrada sofreu uma fratura no maxiliar, após trombada com Dedé, e não deve jogar a segunda partida contra o time mineiro. Quem deve atuar é Agustín Rossi, reserva muito criticado pela torcida do Boca.

A fratura de Andrada foi confirmada, mas com poucas informações adicionais. Não está confirmado se ele passará por cirurgia: “nas próximas horas serão finalizados os exames para definir os procedimentos. O paciente vai permanecer internado para receber analgésicos”, divulgou o Boca.

O novo confronto com o Cruzeiro está marcado para o dia 4 de outubro, no Mineirão, em Belo Horizonte. Portanto há pouco tempo para recuperação de Andrada. Rossi, substituto natural dele, foi muito criticado no 1º semestre. Torcedores do Boca o culparam pela derrota para o Palmeiras em La Bombonera, por exemplo. Por isso a diretoria deixou bem claro que, antes do mata-mata, a prioridade era contratar um goleiro. Andrada chegou e virou titular. Mas agora o time deve depender de Rossi ou então apostar no jovem Javier Bustillos, de apenas 21 anos e pouca experiência.

A fratura de Andrada aconteceu no lance de maior destaque da derrota do Cruzeiro. No 2º tempo, Dedé protagonizou jogada casual ao acertar a cabeça no queixo do goleiro Andrada, após cruzamento da direita na área. O zagueiro estava de cabeça baixa e não viu a aproximação do jogador do Boca, que acabou levando a pior na jogada. Andrada chegou a ficar desacordado por alguns segundos antes de receber o atendimento médico – ele permaneceu em campo até o apito final.

Na sequência, o juiz paraguaio Eber Aquino foi consultar o árbitro de vídeo (VAR) e decidiu expulsar Dedé. O Cruzeiro já perdia por 1 a 0. Após ficar com um jogador a menos em campo, sofreu o segundo gol.

Ao fim da partida, os jogadores e o técnico Mano Menezes criticaram fortemente a atuação do árbitro. Em nota, a diretoria cruzeirense prometeu pedir investigação do caso e ameaçou até a recorrer a “medidas judiciais”. Dedé afirmou não ter tido intenção de acertar o goleiro, pediu desculpas pelo choque e também reclamou do desempenho do juiz.

Com Estadão Conteúdo