Dirigente colombiano diz que liga de futebol feminino é “terreno fértil para lesbianismo”

  • Por Jovem Pan
  • 21/12/2018 09h49
EFETime colombiano, o Huila foi campeão da Libertadores feminina em 2018

Presidente do Deportes Tolima, Gabriel Camargo fez duras críticas ao futebol feminino na Colômbia. Ele disse que o campeonato local não é rentável e ainda o relacionou com o lesbianismo.

Ao comentar a qualidade da competição, disputada neste ano pela segunda vez, o ex-senador disse à emissora “Caracol Rádio” que o campeonato é ruim e não consegue se pagar. Perguntado sobre a situação do Atlético Huila, que no último dia 2 foi campeão da Taça Libertadores feminina ao bater o Santos nos pênaltis em Manaus, o dirigente disparou: “Devem estar arrependidos de terem conquistado o título e ter investido tanto dinheiro na equipe”.

Depois falou sobre a sexualidade das jogadoras: “Fora isso, lembro a vocês, a liga feminina é um tremendo terreno fértil para o lesbianismo”, acrescentou o presidente do Tolima, campeão colombiano no primeiro semestre deste ano, que terá obrigação de manter um time de mulheres a partir de 2019 para disputar o campeonato nacional e a Taça Libertadores masculinos.

Pelas redes sociais, Yoreli Rincón, uma das principais jogadoras do Huila na campanha do título continental, respondeu Camargo de maneira veemente: “Presidente Camargo, não se esqueça de onde vêm os seus filhos: de uma mulher. Ou você quer uma jogadora que passe roupa e lave os pratos do clube? Tomara que em sua equipe masculina você conquiste um bicampeonato com jogadores que não fumem e não tenham mais de uma mulher. Respeite”, escreveu Yoreli.

Com EFE