Goulart não queria voltar à China, mas lesão e ‘oferta irrecusável’ sacramentaram adeus precoce

  • Por Jovem Pan
  • 23/05/2019 17h06
Guilherme Rodrigues/Futura Press/Estadão ConteúdoA passagem de Ricardo Goulart pelo Palmeiras durou apenas quatro meses

A informação de que Ricardo Goulart deixaria o Palmeiras para voltar à China pegou muitos torcedores de surpresa nesta quinta-feira. O retorno do meia-atacante ao futebol asiático, no entanto, vinha se desenhando há pelo menos uma semana.

De acordo com apuração do repórter Raphael Thebas, da Rádio Jovem Pan, o Guangzhou Evergrande fez, na última sexta-feira, um primeiro contato com Ricardo Goulart. Na ocasião, porém, o atleta disse que não pretendia voltar ao futebol asiático. O camisa 11 argumentou que estava feliz no Palmeiras e ressaltou que mal havia conseguido jogar pela nova equipe – foram apenas 12 jogos antes da lesão sofrida há cerca de 20 dias, na primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Na última segunda-feira, no entanto, o Guangzhou fez uma nova investida. Propôs cinco anos de contrato – quatro a mais do que Goulart já possuía – e um aumento de mais de 30% no salário. A proposta, segundo pessoas próximas ao jogador, era “irrecusável”. Não houve outro jeito a não ser aceitá-la.

O Palmeiras, sem saber ao certo como o meia-atacante voltaria da lesão no joelho – a segunda em um intervalo de menos de seis meses –, não teve muito o que fazer. De mãos atadas, já protocolou o pedido de rescisão contratual junto à CBF e receberá, do clube chinês, a quantia equivalente à gasta com o atleta durante o tempo em que ele permaneceu no Brasil.

O empréstimo de um ano durou apenas quatro meses.