Elano relembra demissão e admite mágoa com diretoria do Santos

  • Por Jovem Pan
  • 16/05/2018 15h44
Ex-auxiliar, Elano foi demitido após a eleição do presidente José Carlos Peres em dezembro de 2017

Técnico do Santos nas últimas sete rodadas do Campeonato Brasileiro do ano passado, o ídolo Elano não consegue esconder a mágoa que guarda da diretoria alvinegra. Em entrevista exclusiva ao repórter Marcio Spimpolo que vai ao ar no próximo fim de semana, na Rádio Jovem Pan, o ex-meio-campista admitiu ter ficado “triste” e “decepcionado” com a maneira como foi dispensado do clube no fim de 2017.

“Decepção a gente sempre fica, né? A gente fica triste… Porque, querendo ou não, eu tinha um projeto de preparação para a base, de levar os meninos para o profissional. Eu não tinha o projeto de já ser o treinador, e sim de trabalhar com a base. E, quando acontece como aconteceu, é lógico que a gente fica chateado. Eu tenho uma história dentro do clube, tenho uma identificação com o clube… Mas, da maneira como foi, é lógico que eu fiquei triste”, assumiu.

Elano, que era auxiliar e membro da comissão técnica fixa do Santos, foi desligado do clube após a eleição do presidente José Carlos Peres. Jair Ventura chegou para comandar o time, e Gustavo Vieira, diretor de futebol que, inclusive, já foi demitido, participou da decisão de dispensar o ex-jogador. Na ocasião, Elano havia recusado propostas de outros clubes, que queriam contratá-lo como treinador, para não pular etapas e permanecer na comissão técnica do Santos.

“Não posso ficar me lamentando. Eu tenho muitos amigos lá dentro. Procuro até não ficar muito com eles, porque vocês sabem como é o futebol, né? Acabam inventando um monte de coisa… Então, eu tenho acompanhado o clube com mais distância. Não tem como eu torcer contra o Santos, pela gratidão e carinho que eu tenho pelo clube, mas hoje eu procuro viver a minha vida e alcançar os meus objetivos”, afirmou Elano.

Sobre o time, que tem ouvido críticas por não jogar ofensivamente, o ex-auxiliar o vê como vítima de um “retrocesso” ocasionado por mudanças bruscas no departamento de futebol. “O projeto que eu tinha era justamente voltado para o resgate do DNA do Santos. E quando acontece o que aconteceu, essa demissão de muita gente com identificação dentro do clube, a mudança de jogadores, esse retrocesso, é difícil…”, afirmou.

Elano, no entanto, exime Jair Ventura de culpa: “ele é um treinador que chegou e que está pegando o clube totalmente diferente, que está começando a entender o clube agora… Isso provoca uma dificuldade inicial. É natural.”

E o futuro de Elano?

Sem emprego desde que foi desligado do Santos, o ex-jogador agora se concentra na preparação para voltar ao futebol. A ideia é finalizar cursos de treinador e assumir algum time já no ano que vem.

“Estou estudando, lendo muito, viajando para ver jogos, fazendo minhas aulas de inglês… Estou correndo atrás, me especializando e me preparando para, no ano que vem, voltar ao mercado como treinador. É a minha paixão. Já era antes, e aí me deram o gostinho… Consegui ajudar o Santos a classificar para a Libertadores e estou me preparando para poder voltar”, afirmou, não sem antes revelar se aceitaria voltar a trabalhar no clube do coração: “se um dia eu tiver a oportunidade de voltar ao Santos, será uma alegria imensa.”

A entrevista exclusiva de Elano ao repórter Marcio Spimpolo vai ao ar no próximo Plantão de Domingo, na Rádio Jovem Pan. Fique ligado!

GUILHERME DIONíZIO/ESTADÃO CONTEÚDO