São Paulo vence o Juventude por 1 a 0, mas acaba eliminado da Copa do Brasil

  • Por Estadão Conteúdo
  • 22/09/2016 23h21
RS - COPA DO BRASIL/JUVENTUDE X SÃO PAULO - ESPORTES - Cueva, do São Paulo, durante lance na partida contra o Juventude, válida pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil, no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul (RS), nesta quinta-feira, 22. 22/09/2016 - Foto: PEDRO H. TESCH/ELEVEN/ESTADÃO CONTEÚDOCueva tentou

O ano do São Paulo acabou na prática em Caxias do Sul, na noite desta quinta-feira. A vitória por 1 a 0 sobre o Juventude (com um gol irregular) foi insuficiente para levar o time às quartas de final da Copa do Brasil, pois havia perdido por 2 a 1 no Morumbi. Ao tricolor paulista resta, agora, concentrar-se em evitar o rebaixamento no Campeonato Brasileiro, pois o risco ainda existe.

Assim, entre os oito melhores da Copa do Brasil estão três paulistas (Palmeiras, Corinthians e Santos), três gaúchos (Grêmio, Internacional e Juventude) e dois mineiros (Atlético-MG e Cruzeiro). São sete clubes da Série A e que fazem parte do grupo de elite do País e um que atualmente disputa a Série C. O time de Caxias do Sul é o único intruso na festa dos grandes.

O sorteio das partidas de quartas de final será feito na manhã desta sexta-feira, às 9 horas, na sede da CBF, no Rio de Janeiro. Logo depois, às 9h45min, outro sorteio define os mandos de campo. As quartas serão realizadas nos dias 28 de setembro (ida) e 9 de outubro (volta).

O JOGO – Como sempre acontece nessas ocasiões, o time da casa, o Juventude, começou pressionando. Na base do entusiasmo e correria, aproveitou os espaços que apareciam na defesa são-paulina e chegou a acertar a trave de Denis aos 11 minutos, num chute cruzado de Roberson.

O São Paulo, porém, aos poucos foi assumindo o controle do jogo. Valorizou a posse de bola, quebrou o ritmo da partida e começou a trocar passes pacientemente. Com isso, corria menos risco, embora também tivesse dificuldade de penetração na cerrada defesa gaúcha.

Ainda havia outra dificuldade: o erro no último toque, o que impediu maior número de conclusões contra o gol de Elias no primeiro tempo. Cueva tentou de falta, Rodrigo Carlos em um chute por cima, Kevin num chute torto. Foi só.

Ricardo Gomes voltou para o segundo tempo com Gilberto no lugar de Wesley, num nítido sinal de que queria um time mais ofensivo. Mas logo no início da etapa perdeu Kelvin, que estava bem na partida, mas torceu o joelho direito. O atacante teve de sair e entrou o garoto Luiz Araújo.

Assim como no primeiro tempo, o São Paulo tinha a bola por mais tempo, mas, ansioso e precipitado, tinha dificuldade de incomodar Elias. Mas continuava martelando e chegou ao gol aos 23 minutos. Bruno levantou da direita e Rodrigo Caio, que passara a tentar jogadas na área adversária, cabeceou para fazer 1 a 0. O zagueiro são-paulino, porém, estava impedido.

A possibilidade de classificação, então, tornou-se de fato real. Um gol mais e seria suficiente. O São Paulo passou a pressionar um acuado Juventude, que tentava se proteger e até para aproveitar os espaços que naturalmente surgiam não mostrava muito entusiasmo. Queria mais segurar o resultado.

Elias fez grande defesa em cabeçada de Rodrigo Caio aos 31. O São Paulo teve algumas chances, reclamou de um pênalti não marcado quase ao final, quase levou o gol por duas vezes em contra-ataque.