Assembleia Geral da ONU insiste em buscar reforma do Conselho de Segurança

  • Por Agencia EFE
  • 14/09/2015 20h18

Nações Unidas, 14 set (EFE).- A Assembleia Geral da ONU decidiu nesta segunda-feira prosseguir as negociações para reformar o Conselho de Segurança a fim de que tenha uma “representação mais equitativa”, um esforço realizado há uma década.

A resolução foi aprovada por consenso na última sessão do 69º período da Assembleia Geral, que nesta terça-feira iniciará um novo ciclo.

Se não forem realizadas reformas, “pode chegar um momento em que o papel das Nações Unidas chegue a ser irrelevante”, afirmou o presidente da Assembleia Geral, o ugandense Sam Kutesa.

A reforma no Conselho de Segurança é um dos grandes temas das Nações Unidas, fundamentalmente pelo fato de que cinco países (Estados Unidos, Rússia, China, França e o Reino Unido) seguem mantendo um posto permanente e direito de veto.

Apesar de periodicamente este assunto voltar à tona, com distintas alternativas, há uma forte resistência entre alguns dos países com assento permanente nesse órgão de decisões a aceitar mudanças.

A resolução aprovada hoje pela Assembleia Geral insiste na necessidade de prosseguir as negociações intergovernamentais em favor dessa reforma e em levar o tema ao próximo período de sessões desse órgão da ONU.

Essas negociações serão realizadas em uma “sessão plenária oficiosa” ainda não convocada formalmente, e também se abriu a porta à possibilidade de criar um grupo de trabalho específico se assim decidir a Assembleia Geral em seu próximo período.

“Nos últimos dez anos fizemos tudo menos negociar”, ressaltou Kutesa, que acrescentou que com o passo dado hoje na Assembleia Geral se pode exercer “mais pressão” em favor da reforma.

“A mensagem dos Estados-membros foi alta e clara”, reforçou Kutesa, destacando que crises como o fluxo de migrantes que a Europa vive agora representam o “fracasso” da ONU em manter a paz e a segurança. EFE