Além de Lula, decisão de Marco Aurélio pode soltar goleiro Bruno e presos da Lava Jato; veja lista

  • Por Jovem Pan
  • 19/12/2018 16h26
Agência BrasilEduardo Cunha não pode ser solto após decisão do ministro Marco Aurélio Mello

A decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal Marco Aurélio Mello de soltar presos com condenação em segunda instância, nesta quarta-feira (19), pode beneficiar não só o ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva, mas também outros políticos e nomes conhecidos que estão detidos. De acordo com dados do Conselho Nacional de Justiça, o Brasil tinha 148,4 mil presos em execução provisória em agosto deste ano.

Além de Lula, também foram presos após condenação em segunda instância o ex-presidente da Câmara dos Deputados Eduardo Cunha e mais políticos, mas alguns deles não serão beneficiados. Outros presos, como o goleiro Bruno, também poderão sair da cadeia.

Veja abaixo quais presos conhecidos podem se beneficiar da decisão de Marco Aurélio e a situação de cada um deles:

Lula

O ex-presidente foi sentenciado a 12 anos e 1 mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro no caso do triplex do Guarujá. Ele foi condenado em segunda instância e está preso em Curitiba desde abril.

Eduardo Cunha

O ex-deputado federal e presidente da Câmara dos Deputados foi sentenciado a 15 anos e 4 meses de prisão por corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, mas teve a pena reduzida em segunda instância para 14 anos e 6 meses. Ele está preso desde outubro de 2016, mas não será beneficiado pela decisão, pois tem outros mandados de prisão.

Sérgio Cabral

O ex-governador do Rio de Janeiro foi condenado duas vezes em segunda instância. A primeira sentença foi a 14 anos e 2 meses por corrupção e lavagem de dinheiro, enquanto a segunda foi a 45 anos e 9 meses pelos mesmos dois crimes e organização criminosa. Cabral, no entanto, não será solto pela decisão de Mello, uma vez que ele está preso preventivamente.

Luiz Argôlo

O ex-deputado federal foi condenado a 12 anos e 8 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele está preso desde abril de 2015.

Goleiro Bruno

O ex-goleiro de Flamengo, Corinthians e Atlético Mineiro foi condenado a 22 anos e 3 meses pelo assassinato e ocultação de cadáver de Eliza Samudio. Ele está preso desde o ano passado.

Léo Pinheiro

O ex-presidente da empreiteira OAS foi condenado a 26 anos e 7 meses de prisão corrupção ativa, lavagem de dinheiro e organização criminosa. Ele está preso desde 2015.

Luiz Estêvão

O ex-senador foi condenado a 28 anos de prisão por ter participado de fraudes nas obras do Tribunal Regional do Trabalho de São Paulo. Ele está preso em Brasília desde 2016.

Renato Duque

O ex-diretor da Petrobrás e operador do PT foi condenado a 43 anos e 9 meses de prisão por corrupção, lavagem de dinheiro e associação criminosa. Ele está preso desde novembro de 2014.

João Vaccari Neto

O ex-tesoureiro do PT foi condenado a 24 anos de prisão por corrupção passiva. Ele está preso em Curitiba e foi condenado em cinco processos.

Eduardo Azeredo

O ex-governador de Minas Gerais foi condenado a 20 anos e 1 mês de prisão por peculato e lavagem de dinheiro. Ele está preso desde maio.

Delúbio Soares

O ex-tesoureiro do PT foi condenado a 6 anos de prisão por lavagem de dinheiro. Ele está preso desde maio.

Gim Argello

O ex-senador foi condenado a 11 anos e 8 meses de prisão por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Ele está preso em Curitiba desde 2016.