Ao lado de Heleno, Bolsonaro minimiza polêmica sobre Forças Armadas e faz série de anúncios

  • Por Jovem Pan
  • 07/03/2019 19h13
Reprodução/FacebookJair Bolsonaro fez uma live com os generais Augusto Heleno e Rego Barros nesta quinta-feira (7)

O presidente Jair Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo em sua página do Facebook nesta quinta-feira (7) para falar diretamente com a população. No vídeo, ele falou sobre a polêmica com as Forças Armadas, anunciou uma série de medidas nas áreas da infraestrutura, Previdência e economia e prometeu fazer lives semanais para responder a perguntas dos seguidores.

“Para variar, vai dar polêmica quando falei que devemos às Forças Armadas nossa democracia e liberdade, mas é assim em todo lugar no mundo”, disse Bolsonaro. “Essa fala já começou a ter as mais diferentes interpretações”, afirmou.

O Ministro do Gabinete de Segurança Institucional, General Augusto Heleno, minimizou. “Isso não tem nada de polêmico, suas palavras foram ditas de improviso para uma tropa qualificada e foram colocadas para aqueles que amam sua pátria e vivem o problema da manutenção da democracia e liberdade. São os guardiões da democracia e liberdade”, disse.

“Tentaram distorcer como se fosse um presente dos militares aos civis, não é nada disso. As Forças Armadas são por determinação constitucional os detentores do emprego legal da violência”, continuou Heleno. “Pode chocar alguns, mas isso é o que está escrito”, disse. Ele usou a Venezuela como exemplo. “Maduro está sendo mantido no poder porque as Forças Armadas estão segurando o presidente já praticamente deposto da Venezuela.”

Bolsonaro também prometeu tratar os militares com “dignidade e respeito” e voltou a afirmar que eles entrarão na reforma da Previdência, mas terão suas especificidades respeitadas. “Nós precisamos fazer uma reforma da Previdência, está mais que deficitária. Não queremos que o Brasil se transforme numa Grécia”, disse, torcendo para que o Parlamento não faça muitas alterações na proposta apresentada pelo governo.

Anúncios

Na live, Jair Bolsonaro fez uma série de anúncios. Um deles foi sobre a proposta de aumentar a validade da CNH de 5 para 10 anos. Ainda falando sobre o tema, o presidente prometeu acabar com as lombadas eletrônicas. “É praticamente impossível viajar sem tomar uma multa”, disse, prometendo que não será instalada mais nenhuma lombada eletrônica e que as que perderam a validade não serão renovadas.

O capitão reformado também afirmou que vai rever a questão das bananas do Equador, que chegam ao CEAGESP, em São Paulo, com preço para competir contra as frutas produzidas no Vale do Ribeira, no interior de São Paulo.

O presidente ainda confirmou que fará três viagens oficiais em março. Bolsonaro e sua comitiva vão para Estados Unidos, Israel e Chile. “Traremos algo de concreto dessas visitas”, prometeu.

Banco do Brasil e caderneta de vacinação

Jair Bolsonaro também comentou sobre um edital do Banco do Brasil que pedia para que candidatos ao cargo de assistente técnico tivessem cursos de diversidade e prevenção ao assédio moral e sexual. Ele afirmou que ligou para o presidente da instituição para pedir que os futuros editais não tivessem essa exigência. “Se você foi aprovado e não tem esse diploma, pode entrar na Justiça que você vai ganhar”, aconselhou.

Ainda sobre o tema, o presidente disse ter visto um vídeo em que uma senhora mostrava que a caderneta de vacinação de sua filha, indicada para jovens de 9 a 16 anos, tinha figuras que “não caem bem para meninos e meninas dessa idade terem acesso”. Ele prometeu que as cadernetas serão substituídas. “Quem tiver essa cartilha em casa, e se for o caso, tire as páginas que tratam desse assunto”, disse.