FHC presta depoimento como testemunha de Lula em inquérito do Sítio

  • Por Jovem Pan com Estadão Conteúdo
  • 11/06/2018 13h26
Agência BrasilEx-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB), disse que se sentiu confortável em responder as perguntas sobre o caso do Sítio de Atibaia

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi ouvido pelo juiz federal Sergio Moro, como testemunha no caso que investiga o Lula no inquérito do Sítio de Atibaia. FHC compareceu ao Fórum da Justiça Federal, em São Paulo, e deu as declarações por meio de videoconferência.

O ex-presidente foi ouvido por trinta minutos e não quis dar muitos detalhes sobre o teor do depoimento. O tucano apenas se limitou a dizer que foi “prazeroso” e se sentiu confortável aos responder às perguntas.

FHC prestou esclarecimentos como testemunha de defesa do ex-presidente Lula. As investigações apontam que o petista teria recebido R$ 1 milhão em propina da Odebrecht, traduzida em reformas no Sítio. Lula se tornou réu por corrupção passiva e lavagem em dinheiro em agosto de 2017.

Vale lembrar que o ex-presidente cumpre pena de 12 anos e 1 mês de prisão em Curitiba por conta do processo envolvendo o Tríplex do Guarujá.

Testemunha do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no caso envolvendo obras no Sítio Santa Bárbara, Fernando Henrique Cardoso (PSDB) foi questionado pelo juiz federal Sérgio Moro se já “recebeu por fora”, ou por meio de “reformas” em algum de seus imóveis por suas palestras.

O ex-presidente garantiu que é “tudo declarado e normal”. “Deus me livre que não seja”.

Em meio à audiência, o ex-presidente também foi questionado pelo juiz da Lava Jato sobre como era pago pelas palestras e outros trabalhos. “Alguma empresa reformou alguma propriedade que utilizava por fora, em reforma, algo assim?”

“Isso é feito através de um agente que faz o contrato e eu usualmente não conheço os donos ou representantes da empresa. Vou conhecer eles na hora. Nunca, jamais, nada disso, nem por fora, nem participar de nenhum momento de reforma. Eu não tenho muita coisa a reformar, só minha cabeça mesmo”.