Funcionário do Ministério do Turismo preso pela PF é exonerado do cargo

  • Por Jovem Pan
  • 27/10/2017 11h44
Reprodução/TV GloboViatura da PF em frente ao Ministério do Turismo na Operação Lavat, nesta quinta (26)

O funcionário do Ministério do Turismo preso nesta quinta-feira (26) no âmbito da Operação Lavat, Norton Domingues Masera, foi exonerado da pasta. Ele era chefe da assessoria parlamentar do gabinete do ministro. A exoneração foi publicada nesta sexta-feira (27) no Diário Oficial da União.

A Operação Lavat é decorrente da Operação Manus, que em junho prendeu o ex-ministro da pasta Henrique Eduardo Alves (PMDB). O ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha também foi alvo de prisão preventiva à época.

A saída de Norton do cargo já havia sido anunciada pelo Ministério do Turismo, que afirmou que irá colaborar com as investigações.

A Operação Lavat

Foram cumpridos ainda mandados de busca na sede do Ministério do Turismo, em Brasília, e no apartamento do ex-ministro, em Natal.

A PF diz que crimes de lavagem de dinheiro continuaram a ser praticados, além de “ocultação de valores para o chefe do grupo”. Mais pessoas também foram identificadas na organização criminosa.

Durante a análise do material apreendido na operação anterior, foi identificado um esquema para fraudar licitações em várias cidades do Rio Grande do Norte cujos contratos, somados, chegam a R$ 5,5 milhões para sustentar campanha ao governo do Estado de 2014, que Henrique Alves disputou.

Além de Brasília (DF), todos os outros mandados da Operação Lavat foram cumpridos no Rio Grande do Norte. As cidades potiguares alvos da investida são: Natal, Parnamirim, Nísia Floresta, São José de Mipibu e Angicos. Ao todo, foram 110 policiais para cumprir 27 mandados: três de prisão temporária, 22 de busca e apreensão e dois de condução coercitiva.

Na Manus, também foi identificada e combatida corrupção ativa e passiva e lavagem de dinheiro na construção da Arena das Dunas, com sobrepreço de até R$ 77 milhões.

O nome da operação é referência ao provérbio latino “Manus Manum Fricat, Et Manus Manus Lavat”, cujo significado é: uma mão esfrega a outra; uma mão lava a outra.

Três pessoas foram presas

A Polícia Federal prendeu nesta quinta-feira (26) três pessoas por lavagem de dinheiro no Rio Grande do Norte, durante a Operação Lavat. Um dos detidos é funcionário do Ministério do Turismo.

A Operação Lavat é decorrente da Operação Manus, que em junho prendeu o ex-ministro da pasta Henrique Eduardo Alves (PMDB). O ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha também foi alvo de prisão preventiva à época.

Os outros dois presos são assessores particulares de Henrique Eduardo Alves.

Os nomes dos presos na Operação Lavat são:

– Aluísio Henrique Dutra de Almeida (assessor de Alves)

– José Geraldo Moura Fonseca Júnior (assessor de Alves)

– Norton Domingues Masera (chefe da assessoria parlamentar do Ministério do Turismo)

Domiciano Fernandes da Silva e Fernando Leitão de Moraes Júnior foram conduzidos coercitivamente nesta operação.