Imprensa internacional repercute postagem de vídeo obsceno feita por Bolsonaro em rede social

  • Por Jovem Pan
  • 06/03/2019 15h22
Dida Sampaio/Estadão ConteúdoPublicação do presidente brasileiro causou polêmica na internet

A imprensa internacional tem repercutido entre terça (5) e esta quarta-feira (6) uma polêmica postagem feita por Jair Bolsonaro no Twitter. O presidente brasileiro publicou um vídeo no qual dois homens aparecem em atos obscenos diante de uma multidão – o que foi associado por ele ao que ocorreria em festas de carnaval.

A gravação foi definida pelo jornal The New York Times (Estados Unidos) como uma “revolta” do presidente diante da cena. O veículo norte-americano ressalta que o post tinha o objetivo de criticar o carnaval e que “muitos conservadores da maior nação latino-americana detestam” as festividades da época, vistas por eles como “pagãs”.

Publicações britânicas como os jornais Daily Mail, The Independent e Daily Mirror enfatizaram o aspecto explícito do vídeo, no qual um homem aparece urinando no cabelo de outro. O Daily Mail lembrou que Bolsonaro foi alvo de protestos e zombaria de muitos foliões durante os blocos de carnaval, e citou boneco gigante de Olinda (PE).

‘As guerras culturais do Brasil fazem aparição gráfica no Twitter de Bolsonaro’, afirmou o New York Times em título. Já o Daily Mirror apresentou a matéria com a chamada: ‘Presidente brasileiro twitta vídeo muito pornográfico de ato sexual explícito no carnaval’

The Independent mencionou a sequência dada à polêmica pelo próprio presidente ao publicar outro tuíte. “O que é golden shower?”, escreveu Bolsonaro. Segundo o jornal, “brasileiros rapidamente condenaram o tweet como algo que não representa o carnaval” e ressaltou que usuários têm reportado o vídeo como sendo de conteúdo inapropriado.

Para o jornal Daily Mirror, que destacou o vídeo em reportagem, Bolsonaro se destaca por reputação “racista, sexista e homofóbica”. O veículo inglês relembrou outros momentos polêmicos, quando o agora presidente ainda era deputado federal e disse à deputada Maria do Rosário (PT-RS) que não a estupraria por falta de mérito da parlamentar.

Outro fato relembrado pela imprensa britânica foi uma entrevista dada à revista Playboy (que tem também edições em outros países. Em 2011, Jair Bolsonaro disse à publicação que seria “incapaz de amar um filho homossexual”. Além dos jornais, grandes agências como Reuters e Associated Press também publicaram textos a respeito do vídeo.

*Com informações do Estadão Conteúdo