Joaquim Levy pede demissão do BNDES

  • Por Jovem Pan
  • 16/06/2019 08h21
ALOISIO MAURICIO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDOJoaquim Levy deixou o cargo de presidente do BNDES neste domingo (16)

O economista Joaquim Levy pediu demissão do cargo de presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) neste domingo (16). “Solicitei ao ministro da Economia, Paulo Guedes, meu desligamento do BNDES. Minha expectativa é que ele aceda”, afirmou em nota.

A renúncia acontece no dia seguinte às críticas feitas pelo presidente Jair Bolsonaro. Neste sábado (15), o capitão reformado ameaçou demitir Levy por ele ter nomeado o advogado Marcos Barbosa Pinto ao cargo de diretor de Mercado de Capitais. Barbosa Pinto foi chefe de gabinete de Demian Fiocca, presidente do BNDES entre 2006 e 2007, durante o governo de Luiz Inácio Lula da Silva. Ele também entregou o cargo na noite de sábado.

O próprio Joaquim Levy também trabalhou nos governos do PT. Ele foi secretário do Tesouro no governo Lula e ministro da Fazenda na gestão de Dilma Rousseff. Mesmo assim, Bolsonaro acatou sua indicação à presidência do BNDES pelo ministro Paulo Guedes.

A relação entre Levy e Guedes, no entanto, também mostrava sinais de desgastes. Em entrevista ao blog do jornalista Gerson Camarotti, o ministro disse entender as críticas de Bolsonaro ao economista. “Eu entendo a angústia do presidente. É algo natural ele se sentir agredido quando o presidente do BNDES coloca na diretoria do banco nomes ligados ao PT”, afirmou.

Na entrevista, Guedes ainda lembrou que Levy não “abriu a caixa-preta” do BNDES, o que foi uma das promessas de campanha do presidente. “Ninguém fala em ‘abrir a caixa-preta’ e ainda nomeia um petista. Então, fica clara a compreensão da irritação do presidente”, disse. “O grande problema é que Levy não resolveu o passado nem encaminhou uma solução para o futuro.”

Leia abaixo a nota de Joaquim Levy:

“Solicitei ao ministro da Economia Paulo Guedes meu desligamento do BNDES. Minha expectativa é que ele aceda.Agradeço ao ministro o convite para servir ao País e desejo sucesso nas reformas.

Agradeço também, por oportuno, a lealdade, dedicação e determinação da minha diretoria.

E, especialmente, agradeço aos inúmeros funcionários do BNDES, que têm colaborado com energia e seriedade para transformar o banco, possibilitando que ele responda plenamente aos novos desafios do financiamento do desenvolvimento, atendendo às muitas necessidades da nossa população e confirmando sua vocação e longa tradição de excelência e responsabilidade.”

Demissão de Barbosa Pinto

Na noite de sábado, antes da renúncia de Joaquim Levy, Marcos Barbosa Pinto entregou o cargo de diretor de Mercado de Capitais do BNDES.

Em carta enviada a Levy, Barbosa Pinto afirmou que não queria continuar no cargo após as críticas de Bolsonaro. “Escrevo para apresentar minha renúncia ao cargo de diretor do BNDES. É com pesar que entrego essa carta, logo após ter tomado posse, mas não quero continuar no cargo diante do descontentamento manifestado pelo presidente da República com minha nomeação”, escreveu.

“Tenho muito orgulho da carreira que construí ao longo dos anos, seja na academia, no governo ou no mercado financeiro. Dada minha experiência, achei que poderia contribuir para implementar as reformas econômicas de que o país precisa”, ressaltou o economista.