Lula e Sarkozy acertaram propina em compra de submarinos e helicópteros, diz Palocci

  • Por Jovem Pan
  • 18/03/2019 17h53
ED FERREIRA/ESTADÃO CONTEÚDOSegundo o ex-ministro Antônio Palocci, Lula e Nicolas Sarkozy teriam acertado propina em compra de submarinos e helicópteros pelo Brasil

O ex-ministro Antônio Palocci, ministro da Fazenda e a Casa Civil em governos do PT, relatou em depoimento à Justiça Federal uma reunião entre os ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Nicolas Sarkozy, da França, em 2009, em que teria sido negociado o pagamento de propina para a compra de helicópteros e a construção de submarinos nucleares pelo Brasil.

O ex-ministro prestou depoimento na manhã desta segunda-feira (18), via teleconferência da Justiça Federal em São Paulo. A oitiva se deu no âmbito da ação penal da Operação Zelotes em que Lula é réu por suposto tráfico de influência na compra dos caças suecos da marca Grippen e na edição da MP 627.

A reunião, disse Palocci, foi realizada em 7 de setembro de 2009 e teve como objetivo selar a aquisição dos equipamentos para as Forças Armadas brasileiras. Na versão dada pelo ex-ministro, o acordo também englobaria a compra de caças pelo Brasil, mas, nesse caso, o acordo não vingou. Anos depois, o governo brasileiro adquiriu os aviões da sueca Saab.

Palocci disse que, em seu acordo de colaboração firmado com a Polícia Federal e Ministério Público, abordou detalhes sobre a compra dos submarinos e helicópteros, mas não tem informações sobre a aquisição dos caças suecos.

Segundo ele, na reunião realizada em 2009 foi feito um “acordo do conjunto da compra” e teriam sido discutidos “ilícitos”. Parte do dinheiro relacionado às negociações, explicou Palocci, teria sido destinada ao PT.

A construção dos submarinos já havia sido citada no acordo de colaboração de executivos da Odebrecht, parceira de uma empresa francesa no projeto. Segundo os delatores, parte da propina teria sido paga ao PT e outra teria sido encaminhada a um operador de propina ligado aos franceses. O caso é investigado pela Procuradoria da República do Distrito Federal.

Também ouvido pela Justiça Federal nesta segunda-feira, o ex-ministro da Defesa Nelson Jobim negou que na reunião entre Lula e Sarkozy tenha se discutido o pagamento de propina. Segundo Jobim, presente no encontro, a conversa teve como objetivo tratar do preço das aquisições e contratações.

*Com Estadão Conteúdo