Polícia localiza família de idosa mantida em cativeiro; irmã não a vê há mais de 40 anos

  • Por Jovem Pan
  • 25/06/2019 18h49
Reprodução/EPTVVítima trabalhava como cuidadora sem receber pagamento para o casal Écio Pilli Júnior e Marina Okido

Familiares da idosa Iva da Silva de Souza, de 63 anos, mantida em cativeiro durante pelo menos 20 anos por um casal em Vinhedo, interior de São Paulo, foram encontrados pela Polícia Civil nesta terça-feira (25).

Os parentes, que são da cidade de Colorado, no Paraná, haviam feito queixa à polícia em razão do seu desaparecimento no fim da década de 90, mas a mulher não havia sido encontrada até hoje.

A irmã da vítima, Odete da Silva Souza foi localizada em Araraquara, também no interior, e já fez contato com a mãe, que mora na região de Maringá, no Paraná. Ela disse que não fala com Iva há mais de 40 anos e não a vê há ainda mais tempo. Segundo ela, Iva deixou a casa dos pais, em Colorado, quando tinha cerca de 17 anos na esperança de conseguir trabalho em uma cidade maior, para ganhar um salário e ajudar a família.

De acordo com Odete, eles eram dez filhos, sendo que Iva era a mais velha. Ela trabalhava na lavoura com os pais. Outra irmã teria chegado a conversar com a vítima após a viagem, mas achou que estava tudo bem. As informações oficiais divulgadas nesta segunda-feira (25) dizem que a vítima trabalhava como cuidadora sem receber pagamento para o casal Écio Pilli Júnior, de 47 anos, e Marina Okido, de 65 anos, e era mantida isolada em dois cômodos, na casa dos suspeitos, sem poder fazer contato com outras pessoas.

A Polícia Civil encontrou Odete usando as poucas informações dadas pela mulher e após buscas na internet. Nesta tarde, era providenciada a viagem de Odete até Vinhedo para fazer o reconhecimento formal da irmã.

Reencontro será providenciado após exames psicológicos

Iva foi encontrada pela Polícia pois o casal usou documentos da vítima para abrir conta em banco e emitir cheques sem fundos no nome dela, o que causou estranhamento aos agentes, que foram à casa dos suspeitos de estelionato. Quando abordaram Júnior e Marina, a vítima pediu ajuda. O casal tentou disfarçar a situação, que pareceu estranha aos policiais. Iva foi foi levada à delegacia e contou que era obrigada a cuidar da mãe de Marina, uma idosa de 88 anos, em troca apenas de alimentação.

A idosa foi direcionada a uma casa de acolhimento  da prefeitura de Vinhedo. Segundo a assistente social Giorgia Bezerra, será preciso aguardar o resultado dos exames para promover o encontro entre as irmãs. “Queremos fazer isso o mais rápido possível, mas ainda esperamos o laudo da avaliação psicológica e o resultado de exames para ver se ela está em condições de saúde e psicológicas para reencontrar a família.”

O encaminhamento ao serviço de atendimento foi feito porque a idosa viveu muito tempo em isolamento social. “As condições em que ela e a outra mulher, ainda mais idosa, se encontravam eram de muito risco”, disse a assistente social. “Ela sequer sabia em que bairro ou em que cidade ela estava, mas parecia resignada com a situação. Tanto que os policiais civis demoraram para perceber que havia algo errado.”

* Com informações do Estadão Conteúdo