Temer pede ‘pensamento unitário’ para superar ‘grande crise’ do Brasil

  • Por Estadão Conteúdo
  • 01/06/2016 11h16
Brasília - DF, 01/06/2016. Presidente Interino Michel Temer durante cerimônia de posse de Maria Silvia Bastos Marques, no cargo de Presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) e dos senhores Paulo Rogério Caffarelli, no cargo de Presidente do Banco do Brasil, Gilberto Occhi, no cargo de Presidente da Caixa Econômica Federal, Pedro Parente, no cargo de Presidente da Petrobras e Ernesto Lozardo, no cargo de Presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Foto: Beto Barata/PRTemer posse de Estatais

O presidente em exercício Michel Temer aproveitou a solenidade de posse dos presidentes dos bancos públicos e da Petrobras para fazer um balanço dos primeiros dias do seu governo interino e ressaltar o “cenário” em que encontrou o País, depois do afastamento da presidente Dilma Rousseff.

“O País se encontra mergulhado em uma das grandes crises de sua história. Problemas ocasionados por erros comprometeram a governabilidade e a qualidade de nossa gente”, discursou. Em seguida, citou que o desemprego já atinge mais de 11 milhões de pessoas, ponderando que a inflação ainda inspira vigilância e lembrou que o déficit fiscal, estimado em R$ 96 bilhões pelo governo anterior, ultrapassou a marca de R$ 170 bilhões na revisão da equipe do ministro Henrique Meirelles (Fazenda). 

“Tenho a mais absoluta convicção de que é possível reverter esse quadro, retomar a confiança e o crescimento”, afirmou. O presidente pontuou que já apresentou ao Brasil uma “agenda construtiva”, listando, como pontos dessa agenda, a redução no número de ministérios e a aprovação pelo Congresso da nova meta fiscal. E agradeceu aos parlamentares da base aliada pela primeira “vitória” do governo.

O peemedebista colocou que o Planalto deve enviar um projeto estipulando um teto para os gastos públicos, mas disse garantir que os porcentuais de recursos destinados à saúde e educação não serão modificados. “Todas essas medidas não reduziram da noite para o dia nossos imensos problemas”, reconheceu. “Mas é preciso retomar a confiança, o caminho do crescimento econômico e da geração de empregos”.

Temer pediu um “pensamento unitário” para enfrentar a crise. “Darmos as mãos para juntar os contrários, colocar os interesses do Brasil acima dos interesses dos grupos”, discurssou, sob aplausos dos presentes.

O presidente deu posse a Paulo Caffarelli no Banco do Brasil, Gilberto Occhi na Caixa Econômica Federal, Maria Silva Bastos Marques no BNDES, Pedro Parente na Petrobras, Ernesto Lozardo no IPEA e Paulo Rabello de Castro no IBGE.