Candidatos ao Senado por São Paulo discordam da redução da maioridade penal

  • Por Jovem Pan
  • 05/09/2014 11h08
Candidatos ao Senado por São Paulo 2014

Candidatos ao Senado por São Paulo discordam da redução da maioridade penal, mas defendem alternativas para prevenir crimes cometidos por menores.

Em debate na Ordem dos Advogados do Brasil, os principais concorrentes à vaga reconheceram que o tema precisa ser discutido com a sociedade.

O aumento das oportunidades de emprego e a distribuição de renda são bandeiras dos postulantes.

Falando a Thiago Uberreich, Eduardo Suplicy, do PT, que tenta a reeleição ao Senado, avalia que medidas socioeducativas dariam mais resultado.

Suplicy diz que é contra a redução da maioridade e cita a educação como um dos “instrumentos para prevenir a criminalidade dos jovens”.

Eduardo Suplicy considera necessário rediscutir a inserção do jovem no mercado de trabalho.

O candidato ao Senado pelo PSD, Gilberto Kassab, defende mudança na lei para que os menores trabalhem nas micro e pequenas empresas.

Gilberto Kassab destaca que a alteração na lei não interfere na obrigatoriedade do menor estar estudando.

O ex-governador José Serra, candidato ao Senado pelo PSDB, defende alterações no Estatuto da Criança e do Adolescente:

“Não precisa alterar a maioridade penal; basta aumentar o tempo de internação”, avalia.

Na opinião de José Serra, o debate sobre a maioridade penal deve ser feito com toda sociedade, mas acha difícil alterar as leis.

O debate na Ordem dos Advogados do Brasil contou com mais cinco concorrentes ao Senado por São Paulo.

Os postulantes são: Juraci Baena, do PCO; Ricardo Fláquer, do PRTB; Kaká Werá, do PV; Ana Luiza, do PSTU, e Luiz Fernando Lucas, do PRB.

Os candidatos Edmilson Costa, do PCB, e Marlene Campos Machado, do PTB, não compareceram ao evento na OAB.

Após ouvir opinião de candidatos ao Senado por São Paulo sobre medidas para combater a violência, o jurista explicou que a questão da maioridade penal é uma cláusula pétrea, constitucional, e, portanto, não pode ser mudada.

Ouça detalhes no áudio acima.

Por Thiago Uberreich e Claudia Gouvêa