Crianças e adolescentes se expõem cada vez mais e ignoram perigos da internet

  • Por Jovem Pan
  • 01/12/2014 08h47

Crianças e adolescentes se expõem cada vez mais nas redes sociais e mostram desconhecimento ou ignoram perigos da internet. A idade mínina para ingresso nos sites é desrespeitada pelos usuários, apesar de constar nos termos de uso da maior parte das plataformas.

Geralmente, pais são responsáveis pela criação do perfil, mas negligenciam as atividades dos menores depois de aberta a conta. Meninos e meninas utilizam as redes sociais como diários, compartilhando sucessos, frustrações e expondo a intimidade sem critério.

A selfie, autorretrato do mundo digital, apresenta uma menina que quer parecer mulher e exagera na pose e na maquiagem em busca de sensualidade. Para a psicóloga Paula Napolitano, não há limite entre o público e o privado e, no ímpeto de chamar atenção, o jovem apela para a sexualidade.

*Ouça os detalhes no áudio

Paula Napolitano defende que os pais participem de forma efetiva da vida online dos jovens, como fazem no dia-a-dia. Em entrevista a Carlos Aros, Tiago Tavares, da SaferNET, alertou que os jovens podem ser vítimas de criminosos, mesmo sem fotos com apelo sexual.

Tavares disse que conversar sobre os perigos e tratar de temas, como sexualidade, com os filhos é essencial para evitar que eles sejam vítimas online. O alerta dos especialistas sobre as fotos é este: uma vez publicada, a imagem dificilmente desaparecerá da internet, podendo trazer problemas futuros.

A SafertNET disponibiliza um canal online para que pais e adolescentes entrem em contato com psicólogos com o objetivo de esclarecer dúvidas sobre este assunto: www.canaldeajuda.org.br