Carga tributária poderá cair para 30% se reformas forem aprovadas, diz secretário

  • Por Jovem Pan
  • 11/04/2019 12h17
Estadão ConteúdoO secretário da Receita Federal, Marcos Cintra

O secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, prevê que até o fim do mandato do presidente Jair Bolsonaro, a carga tributária do país estará próxima de 30% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2018, a carga fechou em 33,58%.

De acordo com Cintra, ele não poderá entregar a promessa de campanha de redução da carga tributária com a reforma que está sendo preparada. Segundo ele, a diminuição do peso dos impostos dependerá do ajuste fiscal das contas púbicas, da política de desestatização e privatizações e da taxa de crescimento da economia brasileira. “A reforma da Previdência é corretiva de desvios e a tributária é de deslanche da economia”, avalia.

Se as duas reformas forem aprovadas, o Brasil entrará num ciclo virtuoso de crescimento, na avaliação do secretário. “Ao final dos quatro anos, estaremos reduzindo a carga tributária. Aí, quem sabe, vamos sair de 34% e chegar a 30% do PIB”, disse ele.

Segundo Cintra, o presidente Jair Bolsonaro tem uma intuição política “fantástica” e que a única recomendação que recebeu dele para a refroma tributária é “simplificar, desburocratizar e reduzir a carga tributária”. “Essa última não poderei entregar de imediato”, reconhece.

Segundo o secretário, outra promessa de campanha do presidente é isentar do Imposto de Renda da Pessoa Física (IRPF) quem ganha até cinco salários mínimos, ou seja, R$ 4.990,00. Para o secretário, o sistema brasileiro é caótico, injusto e impõe alto custo à produção. “O mundo está mudando tanto que os tributos convencionais estão ficando desajustados. Os sistemas convencionais são modelos que refletem um modo de produção e realidades que estão em franca substituição para o virtual”, diz

Na avaliação do secretário, é preciso começar a fazer algumas reformas imediatamente, mesmo que elas sejam ainda convencionais “para esperar esse mundo novo que está chegando”.

*Com informações do Estadão Conteúdo