FHC defende política à la Macron e ironiza João Doria

  • Por Tiago Muniz/Jovem Pan
  • 23/06/2017 12h50

Fernando Henrique Cardoso participa de café da manhã realizado pelo Alta Excelência DiagnósticaAE - Fernando Henrique Cardoso - FHC

O ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso disse que os partidos políticos perderam respeito da sociedade e pediu por um por movimento de centro, como o de Macron na França, na política brasileira. FHC deu a declaração durante palestra a empresários do setor médico num hotel na Zona Sul de São Paulo na manhã desta sexta-feira (23).

O tucano voltou a defender que Michel Temer chame as forças políticas e proponha eleições antecipadas dentro de alguns meses. Fernando Henrique Cardoso disse que gostaria que aparecesse um movimento de “centro-progressista-democrático-popular”.

“Progressista quer dizer que não é Trump, não é falar contra a globalização. É mais Macron, progressista. Não é um partido, tem que juntar gente de vários partidos. Democrático, que mantenha a Constituição e que preste atenção ao povo. Popular é isso”, afirmou.

O presidente da França, Emanuel Macron, despontou nas eleições a partir de um partido centrista criado há pouco tempo e que hoje detém ampla maioria no parlamento.

Doria

O ex-presidente da República fez ainda uma referência ao prefeito de São Paulo na palestra. FHC diz que não viu ainda muitas realizações de João Doria Júnior, mas ressaltou que ele é bom em utilizar redes sociais e celulares.

“Isto aqui [celular] está no meu bolso, não na minha alma. O mundo hoje tem isso aqui na alma. O prefeito de São Paulo está fazendo algum sucesso porque ele manipula isso aqui o dia inteiro. Ele mudou alguma coisa? Eu ainda não vi. Mas [mexer] aqui ele sabe”, afirmou.

FHC disse ainda que o PSDB ainda não tem um nome definido para a disputa presidencial, mas que isso é bom, por proporcionar a discussão. Cardoso disse, por outro lado, que o PT tem somente Lula, um nome que, segundo ele, “está por conta da justiça.”