Junta militar da Tailândia se autoconcede mais 20 meses no poder

  • Por Agencia EFE
  • 16/09/2015 11h00
Manifestante é preso na Tailândia durante protestos contra o golpe militarManifestante é preso na Tailândia durante protestos contra o golpe militar

A Tailândia levará pelo menos 20 meses para convocar eleições, anunciou nesta quarta-feira o vice-primeiro-ministro do país, Wissanu Krea-Ngam, o que prolonga a permanência da junta militar que tomou o poder em um golpe de estado em maio de 2014.

O novo prazo prorroga em um ano o calendário que estava previsto até 6 de setembro, quando o parlamento – eleito a dedo pela junta militar – rejeitou a minuta de Constituição que deve ser submetida a referendo, o que obrigou ao reinício do processo.

O documento descartado previa a possibilidade de nomear um primeiro-ministro não-eleito e a criação de um comitê, formado por militares com o poder de intervir na política sem a necessidade de pedir permissão ao Executivo ou ao Legislativo.

Em um comparecimento perante o corpo diplomático de Bangcoc, Wissanu indicou que antes de convocar eleições será preciso redigir uma nova minuta de Constituição, aprová-la em referendo, aprovar o pacote de leis necessárias e organizar a campanha eleitoral.

“20 meses são demais? Sim, poderia ser mais curto se reduzíssemos o tempo previsto para cada passo. Poderiam ser 16 ou 17 meses”, disse Wissanu.

Segundo o vice-primeiro-ministro, os 20 membros do novo comitê redator da Carta Magna serão escolhidos semana que vem e deverão terminar a minuta em abril de 2016, tarde demais para poder votá-la em referendo em agosto.

O ministro de Relações Exteriores, Don Pramudwinai, disse estar confiante de que será possível encurtar este calendário e de chegarem um consenso maior sobre o documento final, que se for rejeitado voltaria a atrasar a realização de eleições.

“Se este referendo falhar e a minuta não for aceita, todo o processo seria empurrado de novo para trás. Simples assim”, disse Don em entrevista coletiva.

O anúncio aconteceu um dia depois de um jornalista e dois políticos críticos à junta militar serem libertados com a condição de não fazerem mais críticas, após passarem vários dias detidos e incomunicáveis em uma base do exército.

Perguntado se a nova Constituição poderá ser discutida em público livremente, sem risco de prisões, o chanceler negou que as autoridades tenham restringido a liberdade de expressão.

“Não tenho a impressão que impuseram restrições”, disse Don, junto a Wissanu, um dos poucos civis do governo.