Alemanha analisa relatórios para proibir ‘tratamentos de cura gay’

  • Por Jovem Pan
  • 11/06/2019 11h33
EFEAtivistas oferecem abraços grátis (free hugs, em inglês) durante Parada Gay da Alemanha, ocorrida no dia 8 de junho de 2019

O governo da Alemanha planeja proibir os chamados “tratamentos” contra a homossexualidade, enquanto uma comissão, indicada pelo Ministério da Saúde, apresentou nesta terça-feira (11) dois relatórios nos quais concluiu que a proibição “é necessária do ponto de vista médico e jurídico”.

“Sou a favor de uma proibição porque a homossexualidade não é uma doença e, portanto, não necessita de tratamento”, disse o ministro da Saúde, Jens Spahn, em um pronunciamento após receber o relatório.

Em abril, Spahn criou a comissão, que trabalhou conjuntamente com a fundação Magnus Hirschfeld. “Os relatórios apresentados hoje mostram que os chamados tratamentos de conversão devem ser proibidos”, disse, por sua vez, o presidente da Fundação Hirschfeld, Jörg Litwinschu-Barthel.

Em um dos relatórios ficou comprovado que a orientação sexual de uma pessoa não pode ser mudada através de “tratamentos”, enquanto o outro mostra um caminho jurídico para conseguir que proibição dos mesmos não tope com obstáculos constitucionais.

Além disso, os relatórios da comissão recolhem histórias de pessoas que foram submetidas a esses tipos de “tratamentos” e as consequências negativas dos mesmos.

Em um dos casos, uma pessoa que assistia a sessões gerais de psicoterapia descobriu depois de um ano que o objetivo real do tratamento era mudar sua orientação sexual. O tratamento foi interrompido quando foi sugerido incluir o paciente em sessões de eletrochoques, segundo indicam os relatórios, que não oferecem mais detalhes.

Outro indivíduo, que foi discriminado por sua religião, buscou ajuda e terminou em grupos que ofereciam “tratamentos” contra a homossexualidade. No marco desse tratamento foi proibido o contato com homossexuais, o que causou uma situação de isolamento da qual o paciente só saiu com a interrupção do tratamento.

Após os dois relatórios apresentados hoje, a expectativa é que o documento final seja publicado até o final de agosto.

*Com Agência EFE