Cerca de 200 empresas vão perder US$ 1 trilhão por causa das mudanças climáticas, diz ONG

Segundo o estudo realizado pela ONG CDP, muitas empresas ainda subestimam os perigos relacionados às mudanças climáticas

  • Por Jovem Pan
  • 05/06/2019 10h37
Agência BrasilSegundo o estudo, grande parte desse montante será pago já nos próximos cinco anos

No dia mundial do meio ambiente, a ONG CDP afirmou que mais de 200 das maiores empresas do mundo vão perder cerca de 1 trilhão de dólares por causa das mudanças climáticas. Segundo o estudo, grande parte desse montante será pago já nos próximos cinco anos.

Para a ONG, muitas empresas ainda subestimam os perigos relacionados às mudanças climáticas. “A maioria das empresas ainda tem muito a caminhar em termos de avaliar adequadamente os riscos relacionados ao clima”, afirmou Nicolette Bartlett, diretora para Mudanças Climáticas da CDP e autora do relatório.

Fundada no ano 2000, a CDP (antigamente chamada de Projeto de Transparência do Carbono – nome que originou a sigla em inglês) é um organismo respeitado dentro de uma crescente coalizão de grupos de lobby, administradores de fundos, bancos centrais e políticos que acreditam que as mudanças climáticas representem um risco sistêmico para o sistema financeiro.

Foram analisados dados de 215 das maiores indústrias do mundo, como Apple, Microsoft, Nestlé, Unilever, Sony e BHP. Essas empresas já teriam tido prejuízos de 970 bilhões de dólares em custos adicionais devido a fatores como o aumento das temperaturas, clima caótico e o preço colocado sobre as emissões de gases causadores do efeito estufa.

Segundo o relatório, as companhias poderiam obter amplas vantagens com um mundo descarbonizado a tempo de evitar os cenários climáticos mais tenebrosos, que os cientistas acreditam representar um risco existencial para a civilização industrial.

As preocupações com os riscos representados pelo clima aumentaram de modo acentuado, paralelamente ao crescimento do ativismo ecológico em muitos países, enquanto ondas de calor, secas, incêndios florestais e tempestades reforçadas pelo clima se tornam cada vez mais difíceis de serem ignoradas.

*Com informações da Agência Brasil