Cinco venezuelanos feridos em confronto na fronteira estão internados em hospital de Roraima

  • Por Jovem Pan
  • 22/02/2019 17h52
EFEDitador tenta bloquear ajuda humanitária enviada por outros países

Ao menos cinco venezuelanos foram internados em um hospital de Boa Vista (RR), após serem feridos durante confronto no estado de Bolívar, na fronteira com o Brasil, nesta sexta-feira (22). Em troca de tiros com o Exército da Venezuela, duas pessoas morreram.

Essas vítimas foram baleadas, e três delas tiveram que ser submetidas a cirurgias, de acordo com o governo de Roraima. Os feridos chegaram ao Brasil em duas ambulâncias venezuelanas e estavam acompanhados por uma médica da mesma nacionalidade.

O confronto envolveu uma comunidade indígena e militares que apoiam o ditador Nicolás Maduro, de acordo com o deputado opositor Américo de Grazia, que reconhece o presidente do parlamento, Juan Guaidó, como governante interino do país.

Outros parlamentares do estado de Bolívar disseram que os indígenas, da comunidade Kumarakapay, tentavam impedir o bloqueio à ajuda humanitária que está retida em Roraima enquanto Maduro se nega a aceitá-la.

Apesar dos incidentes, o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional brasileiro, Augusto Heleno, descartou uma “ação agressiva” do Brasil na fronteira com a Venezuela e ressaltou que é preciso “aguardar o desenvolvimento dos eventos”.

Segundo Heleno, “por enquanto tudo está calmo” em Roraima, onde o governo federal começa hoje a armazenar alimentos e remédios que pretende enviar a partir de sábado (23) ao país vizinho, apesar do fechamento da fronteira decretado ontem por Maduro.

*Com informações da EFE