Iraniana é condenada a um ano de prisão por tirar véu em público

  • Por Jovem Pan
  • 15/04/2019 15h55
Reprodução/HildaBaO véu é obrigatório no Irã desde o triunfo da Revolução Islâmica de 1979, que instaurou no país um regime teocrático

Uma mulher foi condenada a um ano de prisão por tirar o véu em público no Irã. Vida Movahed participava de um protesto contra a obrigatoriedade do hijab no país, e foi detida pela primeira vez em janeiro de 2018 depois que o vídeo de sua atitude viralizou. O protesto aconteceu no centro de Teerã, capital do país.

O advogado dela, Payam Derafshan, explicou que a sentença já é definitiva. A decisão diz que Movahed encorajou as pessoas a cometerem atos de corrupção.

No final de outubro do ano passado, Movahed voltou à praça Enghelab com vários balões coloridos e, por ter atraído curiosos ao seu redor e interrompido trânsito, foi detida novamente, segundo o relatório policial.

Embora a ativista tenha feito duas ações similares de protesto, seu advogado defendeu em entrevista à agência oficial “IRNA” que a mulher se comprometeu a não repeti-las.

“Devido às consequências negativas que este ato teve para ela e para seu filho de dois anos, (Movahed) aceita que esta forma de expressar sua opinião não foi correta”, acrescentou Derafshan.

A mulher foi indultada no dia 3 de abril pelo líder supremo do Irã, Ali Khamenei, que nessa data perdoou centenas de presos por ocasião do aniversário da escolha de Maomé como profeta. No entanto, o indulto ainda não foi executado e Movahed continua na prisão.

Vida Movahed foi a primeira mulher a subir em uma caixa de energia no centro de Teerã e tirar o hijab e pendurá-lo em uma haste, agitando-o como uma bandeira.

Seu exemplo foi seguido por dezenas de mulheres em diferentes cidades do país entre janeiro e fevereiro de 2018, o que levou à detenção de muitas delas.

As que participaram deste modelo de protesto foram chamadas de “meninas da rua Enghelab”, já que nesse lugar do centro de Teerã ocorreram várias das ações.

O véu é obrigatório no Irã desde o triunfo da Revolução Islâmica de 1979, que instaurou no país um regime teocrático que impôs uma série de restrições, como a segregação de sexos e a proibição do consumo de álcool.

*Com EFE