Merkel volta a sofrer tremores em cerimônia na Alemanha; assista

  • Por Jovem Pan
  • 27/06/2019 15h31
EFENo último dia 18, a chanceler já havia apresentado os mesmos sintomas

Angela Merkel, primeira-ministra alemã, voltou a sofrer uma série de tremores nesta quinta-feira (27) durante uma cerimônia oficial, horas antes de sua viagem a Osaka, onde participará da cúpula do G20. Aconteceu na posse da nova ministra da Justiça, Christine Lambrecht, no palácio Bellevue, em Berlim.

De acordo com informações da imprensa internacional, Merkel tremeu por cerca de dois minutos durante o discurso do presidente federal Frank-Walter Steinmeier e tentou controlar cruzando os braços. As imagens foram captadas por emissoras de televisão estrangeiras e compartilhadas nas redes sociais.

No último dia 18, a chanceler já havia apresentado os mesmos sintomas uma cerimônia oficial na presença do novo presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky. Na ocasião, no entanto, declarou que o tremor ocorreu por uma suposta desidratação. A temperatura em Berlim estava próxima dos 30°C. “Estou bem. Bebi, pelo menos, três copos de água. Agora me sinto bem de novo”, disse.

Discussão com Bolsonaro

Jair Bolsonaro rebateu a chanceler nesta quinta (27) ao desembarcar em Osaka para o G-20. O presidente disse que o Brasil “tem exemplo para dar para a Alemanha” sobre o meio ambiente. Na quarta, Merkel havia afirmado que tem grande preocupação com as ações de Bolsonaro sobre o desmatamento no País.

“O presidente do Brasil que está aqui não é como alguns anteriores, que vieram aqui para ser advertidos por outros países, não. A situação aqui é de respeito para com o Brasil. Não aceitaremos tratamento no passado como alguns chefes de Estado tiveram aqui”, disparou Bolsonaro a jornalistas na chegada ao hotel onde irá se hospedar.

Visivelmente cansado e irritado, Bolsonaro culpou a imprensa ao comentar a fala de Merkel. “Eu vi o que está escrito e, lamentavelmente, em grande parte o que a imprensa escreve não é aquilo”, afirmou, ressaltando ainda disse que não vê “problema nenhum” em ser abordado para falar sobre desmatamento.